MENSAGENS PARA A GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS

Blog com mensagens e artigos diferentes sobre Deus e a Bíblia

A “BUNDAMOLIZAÇÃO” DA MÚSICA, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA BRASILEIRAS

**********************************************************
Colunista do Yahoo! solta o verbo e critica o baixo nível intelectual da nossa geração, de cantores, compositores, e inclusive da juventude atual que assiste e ainda elogia essas produções mesquinhas e baratas.

A nossa juventude atual dificilmente presenciará um tempo de glória em que nossos artistas farão produções eruditas, de qualidade. Os nossos grandes artistas estão ficando velhos e indo-se… O que nos restará? Os jovens de hoje não querem se espelhar nos grandes poetas, cantores, compositores de grande renome.

Qualquer porcaria que andam colocando na Internet tem milhares de acesso, e inclusive há de milhares de elogios de pessoas de baixo intelecto, pois vemos que não tem noção do que seja algo excepcional, erudito, célebre, magnífico.

A nossa produção musical atual, tanto secular quanto cristã, evangélica, é uma verdadeira “pirataria” – isto é, coisa falsa, barata, imitação de péssimo gosto -, que devia ser tudo amontoado e passado um rolo esmagador por cima. Nunca se viu tanta produção musical de baixa qualidade como hoje.

Brevemente postarei aqui um artigo sobre o pastor, cantor e compositor Edilson Botelho. Este, sim, faz música cristã de qualidade. Pena que ele é pouquíssimo conhecido dos evangélicos.
**********************************************************

FONTE: Yahoo! Opinião via Fatos em Foco

A “BUNDAMOLIZAÇÃO” DA MÚSICA, EDUCAÇÃO E CULTURA BRASILEIRAS

Nesta altura do campeonato, eu e você já sabemos o que é A Banda Mais Bonita da Cidade e sua única música conhecida, “Oração”. Mas o que me deixou mais espantado foi como o vídeo desta canção (veja aqui) – na verdade, um plágio descarado do clipe de “There’s an Arc”, do sexteto canadense Hey Rosetta! (veja aqui) – conseguiu encantar tantas almas carentes. Talvez esta carência coletiva precise mesmo de um grupinho de amigos fofinhos, cantando dezenas de vezes uma mesma estrofe enquanto dão um rolê por uma casa que mais parece uma república de estudantes de alguma universidade no interior do Paraná, tudo como agente catalisador de uma pretensa “felicidade coletiva”, como se a vida fosse uma “festa de firma” universitária. Neste caso, o problema está justamente nas pessoas que deram crédito a esta pataquada.

Em uma época em que até o Ministério da Educação e Cultura imprime livros que incentivam erros de gramática, parece claro que, além de um processo de emburrecimento geral da população deste país, estamos assistindo também à “bundamolização” da música brasileira. Só isto explica coisas como Mallu Magalhães, Los Hermanos e outros grupos igualmente desafinados. Agora temos também A Banda Mais Bonita da Cidade e seu som zumbificante e plasticamente alegre, “cheirando a café quentinho e bolo de fubá”.

O que é mostrado no vídeo é, infelizmente, uma parte do retrato de uma grande parcela da juventude universitária brasileira. Uma outra parte, salvo raríssimas exceções, não passa de um bando de bebedores de cerveja quente e de meninas mais preocupadas em arrumar baladas para o final de semana. Duvida? Experimente passar perto de qualquer faculdade de uma metrópole como São Paulo e veja a quantidade de gente vagabundeando nos bares ao redor – em qualquer horário! E não adianta usar a desculpa de que “juventude é assim mesmo”. Não é e nem deveria ser.

 Um dos participantes de um dos fenômenos televisivos da atual cultura de massa: os reality-shows. No caso, um integrante do programa “No Limite” escolhendo um de seus desafetos, a participante “JULIA”, e revelando que o mesmo também é um desafeto da língua portuguesa. O pior não é isto: essa gente torna-se celebridade meteórica e passa até a dar palestras em faculdades, para explicar a alunos de propaganda e marketing, por exemplo, os meandros de se trabalhar em televisão…. ora, faça-me o favor!…

Assistindo a este insuportável trambique, fiquei com a sensação de que o tal clipe também prega uma volta aos “bons tempos”, em que pseudohippies de boutique usavam sandália de couro e barbinha “fundo de piscina infantil” e tinham no violão – sempre desafinado – uma arma para levar para a cama meninas vestindo batas indianas e alpargatas com espelhinho. Deus me livre disto!

E como se não bastasse a música aparentar ter a duração de uma aula de Educação Moral e Cívica – quem tem mais de 40 anos de idade lembra o suplício que era assistir a este troço, empurrado goela abaixo de crianças inocentes por um governo militar inescrupuloso -, a canção tem uma letra absurdamente miserável, que sugere que seu autor tenha passado recentemente por uma lobotomia. Qual a outra explicação para “Meu amor essa é a última oração/pra salvar seu coração/coração não é tão simples quanto pensa/nele cabe o que não cabe na despensa/cabe o meu amor!/cabem três vidas inteiras/cabe uma penteadeira/cabe nós dois”? A chatice e a infindável sucessão de sorrisos artificiais aumentam ainda mais a panaquice reinante.

Até mesmo a tentativa de convencer as pessoas de que tudo foi filmado em um único plano é uma farsa. Na verdade, as pessoas não se importam mais em serem enganadas. E elas até pagam para isto – tem gente que saiu de casa na semana passada, em uma noite de frio, para assistir a um “show” em playback da 79ª encarnação embusteira do Village People, não é mesmo?

Ando desconfiado que o mundo acabou mesmo na semana passada. A gente é que ainda não se ligou disso…

********************************************************
Miquels – Manaus, 03 de junho de 2011.

Anúncios

03/06/2011 - Posted by | CULTURA, OPINIÃO |

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: