MENSAGENS PARA A GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS

Blog com mensagens e artigos diferentes sobre Deus e a Bíblia

JESUS É FILHO BIOLÓGICO ESPIRITUAL DE DEUS?

***********************(ATUALIZADO)************************
POSTEI MUITO POUCO ESTE ANO NO BLOG. MAS ESTE AQUI VALE POR VÁRIOS QUE DEIXEI DE POSTAR. É O MAIS IMPORTANTE DESTE ANO. OS COMENTÁRIOS, AQUI, PODEM AJUDAR MUITOS TEÓLOGOS NOVATOS, QUE AINDA NÃO CONHECEM OS PONTOS DIFÍCEIS DA TEOLOGIA. É UM ESTUDO MODESTO, SEM ERUDIÇÃO NAS FORMULAÇÕES DAS FRASES. MAS CREIO QUE VALE A PENA LER. APRECIE COM MODERAÇÃO.
***************************************************************

JESUS É FILHO BIOLÓGICO ESPIRITUAL DE DEUS?

Este comentário é um pouco extenso, porque, para explicar direitinho um assunto polêmico como este, não podemos nos esquecer de certos detalhes imprescindíveis.

Os católicos chamam Maria de “mãe de Deus”. E isso tem certa lógica, pois se Jesus é considerado “Deus”, segundo o Dogma da Trindade, ele também é filho biológico de Maria. E Maria por certo o chamava de “filho”.

Mas, se Jesus não é filho biológico de Deus, logo, ou ele é filho adotivo, ou uma criatura, como as demais que ele criou, assim como criou os anjos, por exemplo.

Se dizemos que Jesus é “Deus”, e Maria foi sua genitora e mãe biológica, logo, podemos dizer que Maria é a mãe de “Deus” Filho.

E se admitirmos que Jesus foi “gerado” ou concebido pelo Espírito Santo – e se o Espírito Santo é o próprio Espírito do Pai -, então Jesus é filho biológico de Deus, e Maria é genitora do “Deus” Filho. Mesmo sabendo que Jesus já era um ser divino pré-existente, podemos considerar que Maria foi sua mãe biológica quanto à sua humanização. Por essa razão, ela foi chamada de bem-aventurada ou favorecida por Deus.

Mas, se teimarmos em dizer que Maria não foi “mãe” do Deus-Filho coisa nenhuma (por ele ser um ser divino eterno, e sendo Jesus o “Filho” unigênito de Deus, composto da mesma substância), temos que admitir que houve uma “mãe celeste” para que ele surgisse. Logo, se não existiu essa mãe celeste, teremos que admitir que Deus é um ser andrógino. Só assim se poderia explicar ser Jesus um “filho biológico” (da mesma substância) de Deus-Pai. E se dissermos que Deus-Pai não é um ser andrógino, então, devemos considerar que Jesus, como ser divino, também é um ser criado por Ele, assim como criou os anjos.

***

Sem dúvida, Deus é Pai biológico de Jesus na forma humana, não na espiritual. Pois Jesus foi concebido pelo Espírito do Pai, quando desceu sobre Maria. Deus é Espírito, e sua glória se manifestou sobre Maria.

Por causa dessa concepção inusitada de Jesus, alguns críticos da Bíblia afirmam que o próprio Deus Yavéh transgrediu o décimo mandamento da Lei que ele mesmo deu ao povo hebreu, pois ele não procurou uma mulher solteira para que Jesus fosse concebido, mas antes, cobiçou ou tomou uma mulher que já era casada, no caso, Maria, que era desposada com José.

“Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo” (Êxodo 20:17).

Mas, sabemos que Deus é Deus, foi Ele quem criou as criaturas e estabelceu as leis espirituais e humanas, então, Ele tem o direito de transgredir ou abolir qualquer lei que tenha imposto…

***

Na Bíblia vemos textos que sugerem que Jesus Cristo foi um ser divino “criado” ou gerado por Deus, antes de vir ao mundo.

“Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?” (Hebreus 1:5).

“Assim também Cristo não se glorificou a si mesmo, para se fazer sumo sacerdote, mas o glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei” (Heb. 5:5).

“E nos transportou para o reino do seu Filho amado; em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados; o qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas; também ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência” (Colossenses 1:13-18).

O texto afirma que ele, Jesus, é antes de todas as coisas, isto é, que foi o primeiro ser criado. Diz também que ele é o princípio, ou a causa do surgimento dos mundos e dos seres vivos.

Ora, por essas afirmações concluímos que Deus-Pai não teve princípio. Mas Jesus teve.

Teologicamente falando, Deus-Pai não é o primeiro, porque ele nunca teve princípio.

“E outra vez, ao introduzir no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem” (Heb. 1:6).

Engraçado que este texto do autor da Carta aos Hebreus se contradiz com a declaração do apóstolo João, que afirmou que Jesus é Unigênito Filho de Deus.

Sabemos que “primogênito” é o primeiro filho, e que “unigênito” é único filho. A final de contas, Jesus é primogênito ou unigênito Filho de Deus?

Observe que a expressão “e todos os anjos de Deus o adorem” é citação apócrifa. Quase todas as citações ou referências que o autor aos Hebreus faz, podemos conferi-las nos livros do Antigo Testamento. Existem várias citações no livro de Hebreus que foram extraídas de livros apócrifos. Mas não vou me estender nesse assunto aqui.

“A qual Deus nos tem cumprido, a nós, filhos deles, levantando a Jesus, como também está escrito no salmo segundo: Tu és meu Filho, hoje te gerei” (Atos 13:33).

“Falarei do decreto do Senhor; ele me disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei” (Salmos 2:7).

“Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus” (Apoc. 3:14).

***

Os teólogos católicos inventaram a Trindade, em cuja definição “supõe-se” que Jesus é a 2ª Pessoa da Trindade, formado da mesma “substância” do Pai. Ou seja, que Jesus é formado da mesma essência biológica do Pai. Mas esse Dogma da Trindade foi uma teoria bem engendrada, criada pelos padres da Igreja Católica, para combater o Arianismo e tentar encaixar Jesus como divindade, já que os judeus também não admitem que o seu Deus Yaveh (Jeová) tenha um filho biológico. A palavra Trindade nem ao menos existe na Bíblia, mas foi formulada para criar um dogma que não tem lógica, e o inpuseram à força para os cristãos.

Os judeus ortodoxos não aceitam até hoje que Jesus Cristo seja o Messias prometido de Israel e nem o consideram como um “Deus” ou filho de Deus, mas apenas como um profeta (impostor). Os judeus messiânicos acreditam que Jesus é o Messias prometido da mesma forma como os cristãos ocidentais acreditam, e ainda acreditam que ele é “Deus” igual ao Pai.

Se a doutrina da Trindade afirma que Jesus é eterno – que nunca foi criado espiritualmente -, e sempre existiu ao lado do Pai, e que é composto da mesma “substância” do Pai, logo, ele não pode ser considerado filho biológico de Deus. Mas, por outro lado, pode ser considerado filho por “afinidade” e por causa da obediência ao Pai. Mas se ele obedece ao Pai, logo ele é submisso e inferior ao Pai em autoridade. Existem várias referências bíblicas que atestam que Jesus não é igual ao Pai em poder e autoridade. Se Jesus sempre foi submisso ao Pai e obedece à sua autoridade, logo, ele não é igual a Deus.

Irei comentar, com as devidas referências, alguns motivos e razões que atestam que Jesus não é  igual ao Pai em poder e autoridade.

***

PRIMEIRO: No Antigo Testamento (AT), de Gênesis a Malaquias, não vemos nenhuma referência concreta que ateste que Deus Jeová tenha um “filho biológico”. Porém, no AT vemos os anjos e seres humanos serem chamados de “filhos de Deus” e até de “deuses”.

“Eu disse: Vós sois deuses, e filhos do Altíssimo, todos vós” (Salmos 82:6).

E o próprio Jesus confirma:

“Responderam-lhe os judeus: Não é por nenhuma obra boa que vamos apedrejar-te, mas por blasfêmia; e porque, sendo tu homem, te fazes Deus. Tornou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses? Se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada), àquele a quem o Pai santificou, e enviou ao mundo, dizeis vós: Blasfemas; porque eu disse: Sou Filho de Deus?” (João 10:33-36).

Se os anjos também são chamados de “filhos de Deus”, por que Jesus não entra na mesma categoria deles? E por que os anjos não são considerados “deuses” também? Se Jesus é filho e é considerado “Deus”, por que os anjos, que são filhos também, não são considerados deuses, já que eles são seres divinos e muito poderosos?

“Chegou outra vez o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor; e veio também Satanás entre eles apresentar-se perante o Senhor” (Jó 2:1).

No livro de Jó, a expressão “filhos de Deus” refere-se aos anjos, e não aos humanos.

Na verdade, Jesus nunca disse diretamente ser “filho de Deus” por concepção biológica. Os fariseus é que tiravam essa conclusão das coisas que Jesus declarava, pois achavam que Jesus estava querendo se igualar a Deus.

Da forma com que Jesus responde aos fariseus, invocando um texto dos Salmos de Davi, vemos que ele mesmo atesta que não se considerava “filho de Deus” por concepção biológica, mas filho em razão de ter sido um enviado de Deus, um profeta do Altíssimo.

No entanto, existe apenas uma referência no Livro de Provérbios (livro não-profético), mas que não é suficiente para se sustentar uma verdade teológica, pois para isso é preciso haver mais de uma referência. Trata-se de uma profecia, não de Salomão, mas de Agur, filho de Jaqué de Massá. Confira Provérbios 30:4.

“Quem subiu ao céu e desceu? [Jesus?] quem encerrou os ventos nos seus punhos? mas amarrou as águas no seu manto? quem estabeleceu todas as extremidades da terra? qual é o seu nome [Yavéh?], e qual é o nome de seu filho? [Yeoshua?] Certamente o sabes!”

O próprio Senhor Jesus parece ter confirmado esta passagem de Provérbios. Veja João 3:12-13.

“Se vos falei de coisas terrestres, e não credes, como crereis, se vos falar das celestiais? Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem”.

Engraçado que Jesus começa afirmando que “ninguém subiu ao céu”, senão o mesmo que desceu do céu, isto é, ele próprio. Isso nos dá a entender que ele havia descido a este mundo em tempos remotos, antes mesmo de ter-se humanizado. E prova, também, que os salvos que já morreram ainda não subiram ao céu, pois ninguém subiu aos céus, exceto ele. A Bíblia afirma que Enoque e Elias foram tomados por Deus daqui da Terra, mas isso não significa que eles adentraram no céu, habitação de Deus.

Apesar de terem inventado a doutrina da Trindade, vemos que Jesus nunca se declarou ser “filho de Deus” por concepção biológica. Ele sempre dizia ser o “Filho do homem”, coisa totalmente contrária ao que tentam nos passar com o Dogma da Trindade. A expressão “Filho do homem” é antagônica à expressão “Filho de Deus”. Será que Jesus se dizia ser “filho do homem” por ironia, ou por vaidade, não querendo se exaltar?

***

SEGUNDO: No Novo Testamento (NT), o evangelista João afirma que os crentes em Jesus seriam também  chamados de “filhos de Deus”. Logo, percebe-se que para se tornar um “filho de Deus”, não precisa ser gerado biologicamente. E João ainda reafirma que são “filhos” não gerados da carne e do sangue, mas gerados pelo Espírito de Deus, através de um novo nascimento espiritual.

“Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (João 1:12-13).

Um dos fatores de os teólogos terem considerado Jesus um filho biológico de Deus, foi em razão de João ter se referido a ele com a expressão “Unigênito filho de Deus”. Somente João se referiu a Jesus usando esse termo “unigênito”, que quer dizer “filho único”.

Mas o termo “unigênito” também foi usado para se referir ao único filho de Abraão, gerado com sua legítima esposa.

“Pela fé Abraão, sendo provado, ofereceu Isaque; sim, ia oferecendo o seu unigênito aquele que recebera as promessas” (Hebreus 11:17).

O termo “Unigênito” é de cunho esotérico. Um estudante da Bíblia, bem inteirado, sabe que o Evangelho de João é cheio de traços esotéricos. As palavras “verbo”, “unigênito”, “batismo”, “novo nascimento” são de cunho esotérico. A palavra “verbo” foi usada apenas pelo evangelista João, inclusive no Apocalipse. Somente João se referiu a Jesus como “filho unigênito de Deus”. Nem Paulo e nem os outros apóstolos e evangelistas o identificaram assim.

Alguns teólogos usam uma declaração que Pedro fez para atestar que Jesus é “Deus” Filho. Só que a expressão “Filho do Deus vivo”, do Livro de Mateus, não consta nos outros dois evangelhos em que é  citado o mesmo fato.

“Mas vós, perguntou-lhes Jesus, quem dizeis que eu sou? Respondeu-lhe Simão Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mateus 16:15-16).

Lembrando que no Livro de Mateus houve muita adulteração de palavras pelos tradutores católicos.

Engraçado que nessa mesma passagem de Mateus 16, em que Jesus elogia Pedro por ter feito tal declaração por inspiração divina, logo em seguida, ele mesmo repreende a Pedro por estar sendo usado pelo Diabo para falar besteiras. “Para trás de mim, Satanás!”, disse Jesus.

Agora, veja a mesma declaração de Pedro nos outros evangelhos:

“Então lhes perguntou: Mas vós, quem dizeis que eu sou? Respondendo, Pedro lhe disse: Tu és o Cristo” (Marcos 8:29).

“Então lhes perguntou: Mas vós, quem dizeis que eu sou? Respondendo Pedro, disse: O Cristo de Deus” (Lucas 9:20).

Vemos aí, que não se observa a expressão “Filho de Deus”, porque essa expressão é apenas uma ênfase, para salientar que “Cristo” é o ungido ou enviado da parte de Deus.

A expressão “Filho de Deus”, nos quatro evangelhos, serve apenas para evidenciar que “Cristo” é o ungido de Deus, ou o “Messias”, e não para testificar que Jesus é um filho biológico espiritual de Deus-Pai.

Ref. 1:

“Também de muitos saíam demônios, gritando e dizendo: Tu és o Filho de Deus. Ele, porém, os repreendia, e não os deixava falar; pois sabiam que ele era o Cristo” (Lucas 4:41).

Os demônios sabiam que Jesus era o “Cristo”, o ungido, o Messias que havia de vir. A relevância deste texto não é a expressão “Filho de Deus”, mas a condição de Jesus ser o “Cristo” ou “Ungido”, o “Messias” que havia de vir. Portanto, a expressão “Filho de Deus” equivale a “Cristo”, o ungido de Deus.

Ref. 2:

“Respondeu-lhe Simão Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. (…) Então ordenou aos discípulos que a ninguém dissessem que ele era o Cristo” (Mateus 16:16,20).

Novamente observamos no texto a ênfase de que “Filho de Deus” equivale a “Cristo”. Jesus mesmo pede que ninguém revele que ele é o Cristo, o ungido, o Messias prometido; mas não proíbe ninguém a declarar que ele é “Filho”.

***

TERCEIRO: A doutrina da Trindade assegura que Jesus é Deus, igual ao Pai, em poder e autoridade, onisciência, onipresença e onipotência. Só que Jesus chegou a afirmar aos seus discípulos que não sabia o “dia do seu retorno a este mundo” para salvar os judeus e reinar com eles. Veja a declaração:

“Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão. Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem”. (Mateus 24:35-37).

Ora, se Jesus fosse “Deus”, onisciente, igual ao Pai, como pode afirmar que não sabia do dia e hora da sua vinda? Doutra maneira, Jesus, sendo “Deus”, estaria “mentindo” aos seus discípulos, ao afirmar que não sabia o dia e hora de seu retorno? Na teologia assembleiana, alguns autores alegam que Jesus não mentiu nessa passagem, ao fazer tal declaração de que não sabia, mas que ele apenas se “omitiu”. Ora, se omitir é quase a mesma coisa que mentir.

Os exegetas se contorcem para explicar essa declaração de Jesus, e continuam afirmando que Ele é Deus.

Antes de retornar aos céus, Jesus deu as últimas instruções aos seus discípulos. Foi nessa ocasião que alguns deles indagaram a Jesus sobre os tempos em que se cumpririam todas as coisas. Olha o que Jesus respondeu:

“Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntavam-lhe, dizendo: Senhor, é nesse tempo que restauras o reino a Israel? Respondeu-lhes: A vós não vos compete saber os tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade”. (Atos 1:6-7).

Segundo os exegetas assembleianos, Jesus aí teria se omitido também, e não quis dizer nada sobre a sua vinda, mesmo sabendo quando seria.

No entanto, Jesus não é mentiroso. Jesus não é “Deus” igual ao Pai. Por isso, foi sincero e disse que nem ele mesmo sabia. Ele foi bem claro ao afirmar que apenas o Pai é quem sabe a data do cumprimento de todas as coisas e a data de seu retorno.

***

Sabemos que houve muita adulteração de palavras e acrescentamento de textos em alguns livros da Bíblia. Por isso, é preciso a gente ficar explicando certos erros de concordância e de tradução, para poder justificar os argumentos.

***

Por exemplo, o Evangelho de Mateus foi o único livro do NT escrito em aramaico, pois o seu autor, Mateus, era judeu e falava aramaico. Alguns eruditos afirmam que os padres católicos traduziram o Livro de Mateus para a língua grega, mas acrescentaram palavras e adulteram alguns versículos, e deram fim na cópia original do livro. Por que os livros do AT foram conservados na própria língua original, hebraico e aramaico, e o livro de Mateus não?

Sem dúvida, no Evangelho de Mateus existem algumas adulterações feitas pelos primeiros tradutores. Outros tradutores tentaram corrigir alguns erros de tradução, mas mesmo assim ainda persistem alguns erros. Atualmente as editoras nem fazem questão de colocar observações nos rodapés das páginas da Bíblia para que ninguém possa levantar questionamentos. Vou citar três casos.

Na minha Bíblia de estudo, publicada pela JUERP-RJ, em 1989, diz na nota de introdução que é uma versão atualizada, de acordo com os manuscritos mais aceitos em hebraico e grego. Existem várias notas de rodapé em algumas páginas dos quatro Evangelhos, salientando que certas palavras ou trechos não se encontram nos manuscritos mais aceitos. E nos demais casos, os enxertos apócrifos nem foram incluídos. Os manuscritos mais aceitos são as versões mais antigas possíveis dos livros da Bíblia.

Primeiro, o trecho do capítulo 16 de Marcos, dos versículos 9 ao 20, não consta nos manuscritos mais aceitos. Isso significa que tal texto foi acrescentado posteriormente pelos tradutores.

Segundo, somente no Evangelho de Mateus aparece a ordem de Jesus para batizar “em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”. Mas, nenhum dos apóstolos obedeceu essa ordem, e nem ao menos aludiram a ela ou a invocaram. No livro de Atos dos Apóstolos não existe nenhum caso em que os apóstolos tenham batizado alguém invocando essa ordem de Jesus. Antes, Pedro apenas dizia que os novos convertidos fossem “batizados em nome de Jesus Cristo”, e não em nome da trindade. Acredita-se que os tradutores católicos teriam adulterado o versículo 19 de Mateus 28, para dar ênfase à doutrina da trindade, assim como fizeram na primeira epístola de João.

“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

“Respondeu então Pedro: Pode alguém porventura recusar a água para que não sejam batizados estes que também, como nós, receberam o Espírito Santo? Mandou, pois, que fossem batizados em nome de Jesus Cristo” (Atos 10:47-48).

A palavra “século”, no texto supracitado, também foi adulterada, pois, no original é “Era”.

O trecho correto seria escrito assim:

“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em meu nome, ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação da era (ou do tempo)”.

Terceiro, os tradutores católicos acrescentaram um versículo a mais na primeira epístola de João para que desse ênfase ou embasamento para a doutrina da trindade.

O trecho adulterado é assim:

6. Este é aquele que veio por água e sangue, isto é, Jesus Cristo; não só por água, mas por água e por sangue. E o Espírito é o que testifica, porque o Espírito é a verdade.
7. Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um.
8. E três são os que testificam na terra: o Espírito, a água e o sangue; e estes três concordam num.

Observe que o argumento do versículo 7 nunca existiu, e foi acrescentado de propósito na Bíblia para dar respaldo à doutrina da trindade.

Tempos depois, outros eruditos descobriram nos manuscritos mais antigos, que este trecho do versículo 7 do capítulo 5 da primeira epístola de João nunca existiu.

Agora, veja o texto correto:

6 Este é aquele que veio por água e sangue, isto é, Jesus Cristo; não só pela água, mas pela água e pelo sangue.
7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade.
8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e estes três concordam.

Note que nem a palavra “num” ou “um” aparece no final desta citação bíblica.

Porém, quase todas as versões das bíblias vendidas nas livrarias evangélicas atualmente vem com essas adulterações ou enxertos apócrifos nos livros sagrados, e os editores nem mesmo fazem questão de colocar observação no rodapé das páginas.

***

No capítulo 5 do Evangelho de João, Jesus declara de forma indireta ser “Filho” de Deus-Pai, mas “filho” na condição de “enviado”, de “Messias” ou “Cristo”, e não filho biológico espiritual. Nesse contexto Jesus se considerava um “embaixador” de Deus, um representante legal de Deus-Pai na Terra. Mas ele nunca tentou demonstrar que era igual a Deus-Pai em poder e autoridade.

Jesus também declarou: “Eu e o Pai somos um” (João 10:30).

Quem entende bem de semântica e de sintaxe ou interpretação de textos, sabe que Jesus, nessa passagem, não está declarando ser igual ao Pai em essência ou substância divina, e poder, mas está simplesmente dizendo ser “um com o Pai” em sentido de propósito, de concordância, de intenção, de afinidade.

No mesmo Evangelho de João, Jesus prova que ele não é igual ao Pai, ocasião em que ele lava os pés dos seus discípulos.

“Em verdade, em verdade vos digo: Não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou” (João 13:26).

Se Jesus Cristo fez-se de servo, e se considerava um enviado de Deus, logo, ele não era igual ao Pai. Estava com Deus, mas não era igual a Deus. O contrário do que João afirmou no seu Evangelho (cap. 1).

Engraçado que, mesmo Jesus tendo dito que o Pai era maior do que ele, os apologistas tentam incutir a obscura doutrina da trindade.

“Ouvistes que eu vos disse: Vou, e voltarei a vós. Se me amásseis, alegrar-vos-íeis de que eu vá para o Pai; porque o Pai é maior do que eu” (João 14:28).

Paulo declara, em sua epístola aos Coríntios, que após a consumação do plano de Deus com relação à salvação dos pecadores e a aniquilação de Satanás, Jesus entregará o poder e a autoridade que recebeu temporariamente do Pai, para que viesse executar o plano de redenção da humanidade. Sendo assim, Deus-Pai será tudo em todos, e Jesus será lembrado eternamente como o grande Redentor da humanidade.

“Então virá o fim quando ele entregar o reino a Deus o Pai, quando houver destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder. Pois é necessário que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo de seus pés. Ora, o último inimigo a ser destruído é a morte. Pois se lê: Todas as coisas sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz: Todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas. E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o próprio Filho [JESUS] se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (I Coríntios 15:24-28).

Essa declaração bombástica de Paulo põe por terra o Dogma da Santíssima Trindade.

Paulo afirmou que Jesus não teve por usurpação ser igual a Deus, mas se despiu da sua glória, se tornando servo. Isso significa que Jesus tinha posição de destaque no céu, mas ele não quis se exaltar, a tal ponto de se auto-proclamar como Deus. Lúcifer, que tinha as mesmas prerrogativas de Jesus, se exaltou e quis ser igual a Deus, por isso foi deposto de seu cargo.

“Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens” (Filipenses 2:5-7).

Outra versão diz assim:

“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que sendo em forma de “Deus”, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens”. (Fil. 2:5-7).

O que significa “usurpação”? Usurpar significa se apossar por fraude e forçosamente de um poder e uma glória que não lhe pertence.

Jesus mesmo declarou que nada fazia de si mesmo, mas o Espírito do Pai que estava nele é quem realiza as obras. Ora, como Jesus pode ser considerado Deus Poderoso igual ao Pai, se ele mesmo disse que não fazia nada por si mesmo? Jesus também era assistido pelos anjos, para que realizasse as obras.

“Prosseguiu, pois, Jesus: Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então conhecereis que eu sou, e que nada faço de mim mesmo; mas como o Pai me ensinou, assim falo” (João 8:28).

“Então o Diabo o deixou; e eis que vieram os anjos e o serviram” (Mateus 4:11).

“E acrescentou: Em verdade, em verdade vos digo que vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem” (João 1:51).

“Ou pensas tu que eu não poderia rogar a meu Pai, e que ele não me mandaria agora mesmo mais de doze legiões de anjos?” (Mateus 26:53).

***

Os apologistas alegam que Jesus é Deus porque operava milagres. Ora, os profetas do Antigo Testamento também operaram milagres e até fizeram mortos ressuscitar e o mar se abrir, e nem por isso foram considerados “deuses”.

***

Outro argumento forte que os trinitarianos usam para alegar que Jesus é Deus, é o ato de perdoar pecados, que, segundo eles, esta é uma prerrogativa inerente a Deus. Mas, como seus argumentos são parciais e desonestos, eles caem em contradição. Pois, no próprio Evangelho Jesus comissiona seus discípulos e lhes confere o poder de perdoar pecados. Se perdoar pecados fosse apenas prerrogativa de Deus, com que ordem Jesus autorizou seus discípulos, a não ser com a permissão de Deus?

“Disse-lhes, então, Jesus segunda vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E havendo dito isso, assoprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; e àqueles a quem os retiverdes, são-lhes retidos” (João 20:21-23).

“Em verdade vos digo: Tudo quanto ligardes na terra será ligado no céu; e tudo quanto desligardes na terra será desligado no céu” (Mateus 18:18).

É óbvio que essa prerrogativa ou autoridade de perdoar pecados não é para qualquer crente. Ela é conferida a sacerdotes consagrados, e cheios do Espírito Santo. O Papa, por exemplo, usa dessa prerrogativa.

***

No Evangelho de João e no Apocalipse Jesus chama a Deus-Pai de “meu Deus”. Se Jesus é Deus igual a Deus-Pai, como pode chamar Deus de “meu Deus”?

“Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus” (João 20:17).

“Sê vigilante, e confirma o restante, que estava para morrer; porque não tenho achado as tuas obras perfeitas diante do meu Deus” (Apocalipse 3:2).

“A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome” (Apoc. 3:12).

Os unitarianos – que não acreditam na trindade -, morrem afirmando que “Jesus” é o verdadeiro nome de Deus, e que esse nome é eterno. Porém, no texto supra-citado, o próprio Jesus declara que receberá um NOVO NOME.

Jesus será eternamente conhecido como o grande redentor e salvador da humanidade. Mas o seu nome atual, Jesus, que significa “Yavéh é salvador”, é um nome transitório.

***

Certa vez li um artigo de um teólogo de araque, recém-formado, num site de uma conceituada denominação evangélica, o qual discorria sobre o episódio da morte de Estêvão, o primeiro mártir, que fora apedrejado até a morte pelos judeus tradicionalistas. Dei risadas da conclusão que ele teve ao se referir à suposta terceira pessoa da trindade nesse episódio. Pois, ele só percebeu dois entes divinos: Deus-Pai, sentado no trono, e Jesus, em pé, à sua destra. Segundo ele, o Espírito Santo não pode ser contemplado por Estêvão na visão, porque, “possivelmente (sic) ele estaria em uma missão aqui na Terra”. (Rsrsrs).

“Ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra Estêvão. Mas ele, cheio do Espírito Santo, fitando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus, e disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem em pé à direita de Deus. Então eles gritaram com grande voz, taparam os ouvidos, e arremeteram unânimes contra ele e, lançando-o fora da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas vestes aos pés de um mancebo chamado Saulo” (Atos 7:54-58).

Esses teólogos tradicionais querem ensinar Trindade, mas nem eles tem noção do que seja trindade. Se o Espírito Santo é Deus, se é uma terceira pessoa, onisciente e onipresente, por que Estêvão não o contemplou? E por que o bobo do apologista ainda disse que ele estava ausente no céu, porque estava numa missão especial aqui na Terra? Cada absurdo!

***

Uma prova de que Jesus não é igual a Deus-Pai, é a sua ordem para orarmos ou pedirmos alguma coisa sempre a Deus-Pai, e nunca diretamente a ele. A “Oração do Pai-Nosso”, de Mateus 6 e a sua oração sacerdotal do capítulo 17 de João também são provas de que Jesus não é igual ao Pai. Se Jesus também é “Deus”, Todo-Poderoso, como pode um Deus orar a outro Deus?

Jesus ensinou a Oração do Pai-Nosso, mas nunca sugeriu que devêssemos pedir em oração alguma coisa diretamente a ele. Sempre disse que devíamos orar e pedir algo de Deus em seu nome.

“Ao que ele lhes disse: Quando orardes, dizei: Pai, santificado seja o teu nome; venha o teu reino” (Lucas 11:2).

“Vós não me escolhestes a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda” (João 15:16).

Na tradução do texto de João 14:14 faltou acrescentar a expressão “ao Pai”.

“Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei”.

A tradução correta seria assim:

“Se pedirdes alguma coisa ao Pai, em meu nome, eu a farei”.

Jesus mesmo é o agente executor das ordens de Deus.

Os apóstolos nunca oravam diretamente a Jesus, invocando o seu nome. Podemos ver no início das epístolas de Paulo sua saudação e oração inicial, invocando sempre a Deus primeiramente; só depois que fazia referência a Jesus.

“Primeiramente dou graças ao meu Deus, mediante Jesus Cristo, por todos vós, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé” (Romanos 1:8).

“Sempre dou graças a Deus por vós, pela graça de Deus que vos foi dada em Cristo Jesus” (I Cor. 1:4).

“Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo, o qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de nosso Deus e Pai, a quem seja a glória para todo o sempre. Amém” (Gálatas 1:3-5).

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo” (Efésios 1:3).

Paulo nunca invocou diretamente o nome de Jesus como o fazem os crentes de hoje.

Atualmente, a maioria os crentes quando oram, já começam invocando o nome de Jesus.

“Senhor Jesus, estamos aqui, meu Deus, na tua presença,…; viemos te pedir, meu Pai, uma benção especial para o teu servo”.

***

No capítulo 17 de João vemos outra prova de que Jesus não é igual a Deus-Pai. Veja o que ele falou:

“E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, como o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que tu enviaste. Eu te glorifiquei na terra, completando a obra que me deste para fazer. Agora, pois, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse” (João 17:3-5).

Jesus nem ao menos faz menção à suposta terceira pessoa da trindade nesta declaração. Ele se refere-se a apenas duas pessoas distintas: “que te conheçam a ti, como o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo”.

Jesus estava com Deus antes que o mundo existisse, mas ele não era igual ao Pai, Todo-Poderoso. Paulo declarou que Jesus não quis, por usurpação, ser igual a Deus. Os anjos também já existiam antes dos mundos existirem. O querubim ungido, Lúcifer, também já existia antes da criação dos mundos físicos.

Vejam. Os crentes, que se dizem salvos, garantem que vão viver eternamente junto com Deus, habitar ao lado de Deus. Vão estar ao lado de Deus, mas não vão ser “deuses”. Só porque Jesus disse que estava com Deus antes que o mundo existisse não quer dizer que ele seja igual a Deus.

Em um reino qualquer deste mundo, existem pessoas mais achegadas ao Rei, que recebem funções administrativas, como de executor, de embaixador ou de regente interino. E é o que ocorria com Jesus antes de vir ao mundo. Ele exercia função máxima no reino de Deus, e Lúcifer também tinha as mesmas prerrogativas.

O arcanjo Miguel também é um ente divino poderoso, e grande General dos exércitos de Deus. Mas nem por isso ele se proclama Deus ou igual a Deus. Nós podemos até temê-lo como um “Deus” poderoso, porque nós em relação a ele, somos insignificantes.

***

O problema com a doutrina da Trindade é o seguinte.

Por a religião judaica (ou dos hebreus), ser uma religião monoteísta, que adota ou adora apenas um Deus, os cristãos tiveram dificuldade em aceitar Jesus como um filho biológico de Deus, porque aí estariam incorrendo no pecado de politeísmo, que Deus havia ordenada na Lei, que não adorassem outros deuses.

Depois que a Igreja passou a fazer parte do Império Romano, o Papa e os padres católicos tiveram poder para impor uma lei ou dogma que obrigasse a todos obedecer. E foi isso o que fizeram, criando o Dogma da Santíssima Trindade, para combater as “heresias” do arianismo, que dizia que Jesus não era Deus, mas um semideus, um enviado de Deus, um profeta poderoso.

Ário foi um erudito famoso de Alexandria (280-336 AD), segundo o qual, Jesus Cristo era uma criatura de natureza intermediária entre a divindade e a humanidade.

Antes de aparecer o Dogma da Trindade, os padres católicos estavam sem saída, pois a Lei de Deus no AT proibia o politeísmo. Como, então, conciliar isso?

Foi aí que bolaram a doutrina da trindade de Deus, para explicar que Deus não é composto de três deuses distintos, mas de três pessoas distintas, formadas da mesma substância. Fizeram apenas trocar a palavra “deuses” por “pessoas”. E há séculos os teólogos tradicionais vêm empurrando essa doutrina falsa na mente dos cristãos.

Inventaram também a tal de “unidade composta”. Será que ao menos isso existe? Claro que não. O que existe é “substância composta” e substância simples. Existe também a solução homogênea e heterogênea com agregado de vários elementos.

Nem em Matemática nem em Física existe este conceito de “unidade composta”.

Em Matemática existe o número misto, formado por uma parte inteira e outra fracionária. Por exemplo, 2 1/2 é um número misto.

Uma hora os trinitarianos usam conceitos matemáticos para explicar a trindade; outras vezes, usam a química para descrevê-la.

Alguns trinitarianos alegam que, matematicamente, a trindade não é a união de três deuses, mas, união de três pessoas compondo uma unidade composta. E que a trindade não se define por 1+1+1 = 3, mas, 1x1x1 = 1. Ora, esse último argumento é fraco, pois em matemática, o fator 1 é considerado um elementro neutro, sem importância, pois ele não altera o produto. Considerando, então, os entes da trindade como fator 1, quem é e quem não o elemento neutro? Todos são elementos neutros. E o que isso explica? Nada. Quem determinou que a multiplicação é a operação matemática para justificar a trindade?

Se matematicamente não conseguem explicar a trindade, então, partem para a explicação química. A tal “unidade composta” é entendida erroneamente como “substância composta”, pois dizem que os entes que compõem a trindade são formados do mesmo elemento (essência), e por isso, são indivisíveis. Ora, se são do mesmo elemento, então já não podem ser substância composta, mas substância pura ou simples, formada por átomos do mesmo elemento químico.

Por exemplo, a substância química de nome Ozônio (O3), é considerada simples, pois é formada de 3 átomos do mesmo elemento, o oxigênio. Logo, percebe-se que não é uma “unidade composta”, mas, uma “substância simples”.

Com argumentos falsos, afirmam que a Trindade é uma unidade composta de três pessoas distintas. Engraçado que eles afirmam que são três pessoas distintas, mas que uma não vive sem a outra, ou que elas são indivisíveis. Mas, só que esses argumentos são apenas teorias, e são coisas inventadas, e jamais algum apóstolo de Cristo ou escritor bíblico se ocupou em explicar a trindade, porque, para eles, trindade nunca existiu, porque Deus é um só, absoluto.

***

Os trinitarianos chegam até a recorrer à língua hebraica para tentar justificar a trindade como sendo uma “unidade composta” de três pessoas e não três deuses.

Eles pegam o texto de Deuteronômio 6:4 para justificar a trindade, alegando que o termo ECHAD, traduzido como “único”, indica uma “unidade composta”.

“Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor”.

Esses caras se metem a querer explicar vocábulos da língua hebraica, mas não sabem distinguir um numeral de um adjetivo.

Eles invocam até o relato do primeiro casal da Bíblia, onde Deus diz que eles seriam uma só carne. Afirmam que o termo empregado para “uma só” é echad, sendo, portanto, uma unidade composta.

“Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne” (Gen. 2:24).

O casamento pode até dar conotação de unidade, mas isso é apenas teórico. Pois, na realidade, mesmo sendo casado, o homem continua sendo uma pessoa distinta e separada fisicamente da mulher, e podem até se separar.

Segundo um professor de hebraico, a palavra ECHAD em hebraico significa apenas “um”, numeral 1.

Já a palavra YACHID significa “único”, isto é, um adjetivo.

Só que não adianta tapar o sol com a peneira, pois existem outras passagem bíblicas em que o termo echad é usado para indicar apenas uma unidade absoluta, uma pessoa, e não um grupo de pessoas.

“Por boca de duas testemunhas, ou três testemunhas, será morto o que houver de morrer; por boca de uma só [echad] testemunha não morrerá” (Deut. 17:6).

“Há um [echad] que é só, não tendo parente; não tem filho nem irmão e, contudo, de todo o seu trabalho não há fim, nem os seus olhos se fartam de riquezas” (Ecles. 4:8).

Nos versículos, supracitados, as expressões “um” e “uma só”, no original, é echad. E significa nada mais que numeral 1. E entendemos perfeitamente que aí o significado do termo não é uma unidade composta, mas simplesmete um, numero 1, quantidade 1.

Quanto ao adjetivo yachid, traduzido como “único” ou absoluto, podemos ver em Gênesis 22:2.

“E disse: Toma agora o teu filho, o teu único [yachid] filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi”.

Então, não existe esse troço de “unidade composta”. Isso é invenção de teólogos para tentar justificar uma doutrina falsa.

Quanto ao texto de Deut. 6:4, é certo que o termo empregado é ACHAD (um = 1) e não YACHID (único).  Mas isso não ajuda em nada entender a tal trindade. Antes, mostra que Deus é mesmo “um só”, que também pode ser entendido como “único”, ou absoluto. Veja a tradução normal:

“Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é UM SÓ Senhor”.

Os unicistas, que são contra a trindade, afirmam que neste texto não cabe o termo ECHAD, pois não há concordância com o restante da frase; antes, dizem eles, o termo correto é YACHID. Logo, para eles, a tradução correta é “único Senhor”. Pois, para eles a frase com o termo ECHAD ficaria assim:

“Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é um Senhor”. (errado).

“Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor”. (correto).

A trindade não pode ser explicada, porque simplesmente é uma teoria falsa, e o que é falso não se pode explicar. A Igreja Católica a estabeleceu como Dogma, e obrigou os cristãos a aceitá-la.

E nem adianta argumentar com negócio de dizer que a palavra Elohim, em Gênesis, deve ser traduzida por “Deus”, pois, o seu significado mesmo é “deuses”.

Moisés, ao escrever os primeiros capítulos de Gênesis usou duas fontes de informação: uma suméria e outra hebraica (ou egípcia). A primeira parte do capítulo 1 de Gênesis é chamada de narração eloísta, e a segunda, de javista.

Os sumérios e babilônios achavam que os deuses (elohim) haviam criado os mundos. Os hebreus, adoradores de Yavéh ou Javé, ensinavam que Deus (Adonai) havia criado os mundos.

***

Vou mostrar mais uma prova irrefutável de que a Trindade não existe.

Certa vez, Jesus dissertando para os seus discípulos, advertiu-os sobre o pecado imperdoável. E nesse episódio, referiu-se apenas a ele mesmo e ao Espírito Santo como entes divinos a quem somos passivos de ofender ou pecar.

“Se alguém disser alguma palavra contra o Filho do homem, isso lhe será perdoado; mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo, nem no vindouro” (Mateus 12:32).

Por que Jesus não incluiu a ofensa contra Deus-Pai, Todo-Poderoso, nessa afirmação?

Ora, se Jesus é Deus e o Espírito Santo é Deus, por que a ofensa para um é passiva de perdão e para outro, a ofensa não será perdoada?

Na verdade, o Espírito Santo ao qual Jesus se refere nessa passagem, não é uma suposta terceira pessoa da trindade, mas trata-se do mesmo Espírito de Deus-Pai. Jesus mesmo declarou que Deus é Espírito.

“Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (João 4:24).

No Antigo Testamento, o pecado que não tinha perdão era o ato de blasfemar contra Yavéh ou tomar o seu nome em vão.

“Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão” (Êxodo 20:7).

“Não jurareis falso pelo meu nome, assim profanando o nome do vosso Deus. Eu sou o Senhor” (Lev. 19:12).

Logo, conclui-se que Espírito Santo é o mesmo Espírito de Deus-Pai, porque Deus é Espírito. E quem ofende o Espírito Santo, está ofendendo o próprio Deus-Pai. E nessa questão, Jesus mesmo se declarou inferior ao Pai, pois, da sua parte, perdoaria as ofensas dirigidas a ele.

Ainda não se convenceu? Vou mais além.

Em Gênesis 1:1-2 nos diz que o “Espírito de Deus” pairava sobre a face das águas. Ora, esse Espírito não se trata de uma suposta terceira pessoa da trindade, mas trata-se tão somente da manifestação do próprio Deus-Pai em Espírito, porque ele é Espírito. Logo, era a glória do próprio Deus Criador que pairava, isto é, que passeava sobre a face das águas.

“No princípio criou Deus os céus e a terra. A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas”.

Quanto ao “façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”, de Gênesis 1:26, posso garantir que Deus-Pai, Todo-Poderoso, não possui imagem ou semelhança, porque ele é Espírito.

Quem criou os mundos físicos e as criaturas viventes foi o Filho, Jesus Cristo, o princípio da criação de Deus, auxiliado pelos anjos. Por ele foram criadas todas as coisas, inclusive os seres humanos.

Na verdade, Jesus já possuía uma imagem física semelhante à dos anjos. Portanto, a ordenação “façamos”, de Gênesis 1:26, refere-se a Jesus e ao grupo de anjos que o auxiliavam na criação do mundo e dos seres viventes.

***

Portanto, Jesus não é um “Deus” igual a Deus-Pai, Todo-Poderoso. Ele se tornou “Deus” por designação de Deus-Pai, pois Paulo confirma que, após a consumação de tudo, Jesus entregará o poder e autoridade que recebeu do Pai para que exercesse ofício de divindade aqui na Terra, a fim de cumprir o plano de redenção da humanidade.

Jesus é um ser divino (porque veio do céu, e todo ser que vem do céu é considerado divino), e Ele é um ser criado, mas é superior ao Lúcifer, ao arcanjo Miguel e demais anjos poderosos. Ele é o princípio da criação de Deus. Não podemos determinar quando Jesus surgiu, mas sabemos que ele já existia junto com Deus desde o príncípio do mundo. Jesus não existia com Deus desde a eternidade, porque a eternidade não teve início. Dizer que Jesus já existia com Deus desde a eternidade, é forçação de barra. Dizer que Jesus é “pai da eternidade”, é pura heresia. As traduções forçadas de certos vocábulos da língua hebraica foi o que gerou todas essas polêmicas e conceitos errôneos sobre a divindade.

Se aparecesse um anjo poderoso agora diante de você, com vestes resplandecentes, você talvez se prostraria diante dele e o temeria ou até o adoraria, pois ele é um ser divino, um semi-deus. O próprio apóstolo João, no Apocalipse, quis adorar o anjo que revelava a ele as visões. Mas o anjo o advertiu para que não o adorasse.

Jesus veio a este mundo para poder assumir o papel que Lúcifer exercia. Ele teve que provar ao Pai que era capaz de morrer pela humanidade e cuidar bem da humanidade. Jesus intercedeu diante do Pai para que não fosse necessário ele morrer numa cruz para provar seu amor pela humanidade. Por isso, disse: “Pai, se possível, passa de mim esse cálice”. Jesus havia implorado para Deus-Pai não fizesse ele passar por tamanha humilhação. Mas não teve jeito. Ele tinha que provar que amava a humanidade.

Quando Jesus morreu e ressuscitou, ele exclamou:

“Foi me dado todo o poder (autoridade) no céu e na Terra” (Mateus 28:18).

Foi só aí que Jesus tomou o poder e autoridade que antes Deus havia confiado a Lúcifer.

“Então o Diabo, levando-o a um lugar elevado, mostrou-lhe num relance todos os reinos do mundo. E disse-lhe: Dar-te-ei toda a autoridade e glória destes reinos, porque me foi entregue, e a dou a quem eu quiser; se tu, me adorares, será toda tua” (Lucas 4:5-7).

Neste episódio, Jesus não desmentiu as declarações de Satanás, mas apenas o repreendeu, por estar tentando a Deus e querendo ser adorado como Deus.

Quem detinha o poder da morte era o Diabo. Era ele quem mandava no Inferno e nas almas dos mortos no Hades.

“Portanto, visto como os filhos são participantes comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das mesmas coisas, para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo” (Hebreus 2:14).

Mas Jesus desceu até às partes mais baixas da Terra (Hades) e levou cativo o cativeiro.

“Por isso foi dito: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens. Ora, isto – ele subiu – que é, senão que também desceu às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu muito acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas” (Efésios 4:8-10).

Por isso Jesus declarou em Apocalipse 1:18.

“Eu sou o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre! e tenho as chaves da morte e do inferno”.

Quem manda agora no Hades é Jesus. Satanás não mais oprime as almas dos mortos. Jesus e seus anjos agora cuidam dos mortos. Porém, os mortos passivos de perdão, que cometeram pecados veniais, e os que aguardavam a ressurreição no seio de Abraão (parte do Hades chamada de “paraíso), foram transportados para outro local, numa região celestial distante, onde Satanás e seus anjos não tem acesso. Somente os pecadores que cometeram pecados imperdoáveis e os anjos líderes que pecaram, estão presos no fundo do Hades, no local chamado de poço do abismo, ou thártarus. Acho que o antigo Hades ainda funciona como QG, quartel-general de Satanás e seus anjos. Por isso que muitos crentes tem revelação sobre o inferno, e lá contemplam pecadores sofrendo, porque sabem que não terão perdão nem salvação, e muitas vezes contemplam o Diabo por lá.

Deus-Pai deu autoridade a Jesus para ser temido e adorado, mas não acima dele. Lúcifer também tinha essa prerrogativa de ser adorado, mas ele sempre se colocava acima de Deus-Pai, por isso perdeu o posto para Jesus.

Lúcifer quis se tornar um “Deus” por usurpação, mas Deus o destituiu do posto que ocupava.

“E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte; subirei acima das alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo” (Isaías 14:13-14).

“Eu te coloquei com o querubim da guarda; estiveste sobre o monte santo de Deus; andaste no meio das pedras afogueadas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que em ti se achou iniqüidade. Pela abundância do teu comércio o teu coração se encheu de violência, e pecaste; pelo que te lancei, profanado, fora do monte de Deus, e o querubim da guarda te expulsou do meio das pedras afogueadas” (Ezequiel 28:14-16).

A Bíblia diz que Jesus já existia desde o princípio ao lado do Pai. Mas esse “princípio” é o princípio dos mundos criados, e não princípio da eternidade, porque a eternidade nunca teve princípio.

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou” (João 8:58).

“Cristo, o qual, na verdade, foi conhecido ainda antes da fundação do mundo, mas manifesto no fim dos tempos por amor de vós” (I Ped. 1:20).

Sim, Jesus existia antes de Abraão, mas não existiu sempre. Ele teve um princípio de existência, (como já foi demonstrado aqui), sendo ele, o princípio da criação de Deus.

***

Para concluir, quero ainda falar sobre a tal Ordem Sacerdotal de Melquisedeque.

Alguns teólogos acreditam que Melquisedeque teria sido uma aparição de Jesus, o Messias, antes de seu nascimento.

É um pouco estranho o nome de Melquisedeque ser de origem hebraica, pois, o relato bíblico afirma que ele era rei de uma cidada cananéia, de nome Salém.

Melquisedeque significa “Rei de Justiça”; Salém, significa “Paz” ou cidade de paz. Salém seria a antiga forma do atual termo Shalom, que significa “paz”. Do nome Salém pode ter derivado o nome Jerusalém.

No Antigo Testamento existem apenas duas citações do lendário personagem Melquisedeque.

E no Novo Testamento, temos referência sobre esse personagem apenas na epístola aos Hebreus.

“Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do Deus Altíssimo; e abençoou a Abrão, dizendo: bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra! E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo” (Gênesis 14:18-20).

“Jurou o Senhor, e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque” (Salmos 110:4).

“Como também em outro lugar diz: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hebreus 5:6).

“Aonde Jesus, como precursor, entrou por nós, feito sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque” (Heb. 6:20).

“De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (pois sob este o povo recebeu a lei), que necessidade havia ainda de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e que não fosse contado segundo a ordem de Arão?” (Heb. 7:11).

Existe um livro apócrifo chamado Livro de Melquisedeque (supostamente escrito por Abraão), que conta a história desse tal Melquisedeque, príncipe de Salém, uma cidade dos cananeus. Melquisedeque era príncipe e sacerdote, filho único de um rei de nome Adonias.

Note que o nome Adonias faz-nos lembrar do nome Adonai, outro nome do Deus Yavéh dos hebreus.

Mas será que havia um reino de paz, e um sacerdote de Deus no meio daquele povo ímpio?

Quem sabe contar direitinho essa história sobre esse estranho príncipe-sacerdote cananeu, são os iniciados de alto grau da Maçonaria e de outras escolas de mistérios.

Da minha parte, vou tentar mostrar por que Jesus é considerado sumo-sacerdote dessa desconhecida Ordem Sacerdotal de Melquisedeque.

Sabemos que Deus estabeleceu a Ordem Sacerdotal de Levi, filho de Arão, irmão de Moisés (Êxodo 28). E jamais existiu outra ordem sacerdotal durante a história dos hebreus até o surgimento de Jesus e depois. A Ordem Sacerdotal Levítica também é conhecida como Ordem de Arão ou Sacerdócio Arônico.

Lembremo-nos que Deus escolheu e determinou que a descendência de Levi exercesse a função sacerdotal, o sacerdócio do tabernáculo, e depois, do grande Templo. Arão foi o primeiro sumo-sacerdote. E isso durou até nos dias do exílio, e depois. Um dos sumo-sacerdotes do tempo do exílio babilônico dos hebreus foi Josadaque.

Os descendentes de Levi não podiam exercer a função de Rei de Israel nem Rei de Judá.

Em Ezequiel, a ordem sacerdotal do sacerdote Zadoque é a mesma de Arão.

Deus proibiu que os descendentes das outras tribos de Israel exercessem função sacerdotal.

Era vedado ao Rei exercer função sacerdotal. Os reis de Israel não exerceram função sacerdotal. Mas, sabemos que toda regra tem suas exceções.

Segundo as profecias, o Messias exerceria a função de Rei e Sacerdote. Por isso se diz que ele seria da Ordem Sacerdotal de Melquisedeque, pois este era príncipe e sacerdote do Deus Altíssimo.

Durante sua trajetória de vida aqui na Terra, Jesus não exerceu nenhuma função sacerdotal. Porém, segundo o Salmos 110:4, o Rei-Messias também exercerá a função de sacerdote.

Tem outro entrave em relação a Jesus exercer a função de sacerdote.

A Bíblia diz que Jesus era da descendência de Davi, e Davi era descendente da Tribo de Judá, que não podia exercer função sacerdotal. Portanto, Jesus não podia exercer função sacerdotal pela ordem levítica. Então, como justificar que ele cumpriu os ritos da Lei através de sua morte?

Por essa razão é que o autor da Carta aos Hebreus teve que se apoiar nos ritos da Ordem Sacerdotal de Melquisedeque para poder justificar a morte de Cristo como o Messias que havia de vir.

E se Jesus é Deus, e é Rei ou Príncipe-Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, quando ele  exerceu ou quando exercerá essa função?

O autor da carta aos Hebreus tentou explicar esse emaranhado teológico. Mas explicou de forma mística. Ou seja, ele diz que Cristo, após sua morte sacrifical, passou a exercer a função de Sumo-Sacerdote e fez a administração simbólica no Santuário Celestial. Para mim, essa explicação mística não faz muito sentido. Primeiramente, porque as administrações do santuário do Antigo Pacto eram sombras ou figuras das coisas celestiais. E lá não vemos nenhuma vez algum sacerdote ou sumo-sacerdote sacrificando-se a si mesmo sobre o altar, como oferta pelo pecado do povo. E o autor aos hebreus nos faz crer que Jesus, como sumo-sacerdote da Ordem de Melquisedeque, se ofereceu a si mesmo, ao morrer na cruz, pelos pecados da humanidade, tendo se apresentado depois no Santuário Celestial. E tem outro problema. A cruz não pode ser considerada um “santuário”, de forma que o sacrifício de Jesus tivesse validade num ritual macabro desse tipo.

“Temos um sumo sacerdote tal, que se assentou nos céus à direita do trono da Majestade, ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, que o Senhor fundou, e não o homem. Porque todo sumo sacerdote é constituído para oferecer dons e sacrifícios; pelo que era necessário que esse sumo sacerdote também tivesse alguma coisa que oferecer” (Heb.8:1-3).

O que Jesus tinha para oferecer neste Santuário Celestial? A sua própria vida?

Se o Melquisedeque era figura de Jesus Cristo, será que esse Melquisedeque se imolou a si mesmo sobre algum altar de um santuário qualquer, em sacrifício pelos pecados dos cananeus?

Olha, não me recordo se no livro apócrifo de Melquisedeque, ele próprio tenha se sacrificado pelos pecados do povo.

Se Jesus é sacerdote para sempre, será que ele continuará exercendo ETERNAMENTE essa função de ministrador do Santuário Celestial, para expiação dos pecados das criaturas decaídas deste vasto Universo?

Na lei sacrifical do Antigo Pacto, o sumo-sacerdote não se oferecia a si mesmo sobre o altar; mas oferecia um cordeiro ou cabrito sem mancha sobre o altar “dentro do Santuário”. Para os pecados graves do povo, eram oferecidos um novilho ou um bode, e este ritual era feito sobre o altar “fora do Santuário”.

De acordo com a Ordem de Levi, se Jesus era o Cordeiro de Deus, ele teria que ter se oferecido como sacrifício sobre o altar, dentro do Santuário. Porém, o autor aos Hebreus nos diz que ele padeceu “fora da porta”, isto é, fora do Santuário. Sendo assim, Jesus não padeceu como cordeiro, mas como novilho ou bode.

“Por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, sofreu fora da porta” (Heb. 13:12).

Portanto, Jesus não cumpriu integralmente os ritos da Ordem Sacerdotal de Levi, mas cumpriu os ritos da Ordem Sacerdotal de Melquisedeque, pois, talvez nessa ordem de Melquisedeque o próprio sacerdote se oferecia em sacrifício pelos pecados do povo. Talvez. Não tenho certeza.

Quanto ao meu entendimento, acho que o autor aos Hebreus cometeu alguns equívocos.

Acho muito confusas algumas explicações do autor da Carta aos Hebreus, pois ele apresenta uma conotação mística e esotérica do sacrifício de Jesus. Se os rituais da Antiga Aliança foram cumpridos em Jesus, como Cordeiro de Deus ele teria que ter se oferecido sobre o altar dentro do Santuário, e não fora. E Cristo padeceu fora, mas não foi sobre um altar, mas sobre uma terrível cruz. E tem mais outro detalhe. Como Cristo poderia se oferecer em sacrifício, se nem função de sacerdote ele exerceu durante seus três anos e meio de ministério?

Porém, segundo o autor aos Hebreus, Jesus se ofereceu, sim, em sacrifício, mas foi no “Santuário Celestial”.

“Mas Cristo, tendo vindo como sumo sacerdote dos bens já realizados, por meio do maior e mais perfeito tabernáculo (não feito por mãos, isto é, não desta criação), e não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção. Porque, se a aspersão do sangue de bodes e de touros, e das cinzas duma novilha santifica os contaminados, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará das obras mortas a vossa consciência, para servirdes ao Deus vivo?” (Heb. 9:11-14).

Isto que é uma explicação mística e esotérica!

Então, isso só pode significar duas coisas: Que Jesus morreu duas vezes. Morreu uma vez aqui na Terra, sobre a cruz, exercendo a função de bode ou novilho expiatório; e morreu outra vez, no Santuário Celestial, como cordeiro imaculado.

Como o salmista diz que Jesus, o Messias, é um sacerdote eterno, segundo a Ordem de Melquisedeque, então ele continua até hoje ministrando no Santuário Celestial, pois sua função é para sempre.

No entanto, acho que Jesus ainda não exerceu a principal função de Sumo-sacerdote da Ordem de Melquisedeque. Mas ele ainda vai exercer durante o Reino Milenar, pois nesse reino ele será Rei e Sacerdote, segundo as profecias de Ezequiel.

Jesus é Sumo-sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque por ele exercer as funções de SACERDOTE E REI ao mesmo tempo. E não por ele ter se sacrificado a si mesmo.

De acordo com as profecias de Ezequiel (cap. 40-48) – sobre o reino do Príncipe ou Messias de Israel -, a ministração sacerdotal do Novo Templo será a cargo dos levitas descendentes do sacerdote Zadoque. Mas o “Príncipe” (ou Rei, governante) também terá parte na ministração dos rituais de sacrifícios. Esse sacerdote Zadoque era da Ordem Sacerdotal de Levi.

“Mas a câmara que olha para o norte é para os sacerdotes que têm a guarda do altar, a saber, os filhos de Zadoque, os quais dentre os filhos de Levi se chegam ao Senhor para o servirem” (Ezequiel 40:46).

“Aos sacerdotes levitas que são da linhagem de Zadoque, os quais se chegam a mim para me servirem, diz o Senhor Deus, darás um bezerro para oferta pelo pecado” (Ezeq. 43:19).

“Sim, será para os sacerdotes consagrados dentre os filhos de Zadoque, que guardaram a minha ordenança, e não se desviaram quando os filhos de Israel se extraviaram, como se extraviaram os outros levitas” (Ezequiel 48:11).

Ezequiel nos diz que esse “Príncipe” também exercerá a função sacerdotal, pois, diz que ele fará sacrifícios por ele mesmo e pelo povo.

“No primeiro mês, no dia catorze de mês, tereis a páscoa, uma festa de sete dias; pão ázimo se comerá. E no mesmo dia o príncipe proverá, por si e por todo o povo da terra, um novilho como oferta pelo pecado” (Ezequiel 45:21-22).

“Tocará ao príncipe dar os holocaustos, as ofertas de cereais e as libações, nas festas, nas luas novas e nos sábados, em todas as festas fixas da casa de Israel. Ele proverá a oferta pelo pecado, a oferta de cereais, o holocausto e as ofertas pacíficas, para fazer expiação pela casa de Israel” (Ezeq. 45:17).

Teologicamente e escatologicamente falando, este “Príncipe” de Ezequiel trata-se do mesmo Jesus que virá estabelecer o reino de Deus aqui na Terra durante mil anos. Nesse tempo, o terceiro Templo será reconstruído e todas as administrações do santuário serão novamente estabelecidas.

Ainda no livro de Ezequiel diz-nos que “Davi” será o grande regente do Reino Milenar. Mas, de acordo com o ensino teológico tradicional, não existe doutrina da reencarnação. Portanto, esse “Davi” que irá legislar no futuro reino glorioso de Israel não será o antigo rei Davi, mas, será outro personagem.

Sabemos que Jesus era chamado de “Filho de Davi”. Portanto, podemos assegurar que esse “Príncipe” de Ezequiel será o mesmo Senhor Jesus Cristo, descendente de Davi.

O problema é que esse “Príncipe” de Ezequiel terá família, e terá uma parte territorial separada para ele e seus descendentes. Sendo assim, os teólogos tradicionais não admitem que esse “Príncipe” seja Jesus, mas, sim, um personagem importante, da mesma descendência de Davi.

Só que Deus afirma que o “meu servo Davi será Príncipe” no meio do povo. E quem foi chamado de filho de Davi foi Jesus Cristo.

“E suscitarei sobre elas um só pastor para apascentá-las, o meu servo Davi. Ele as apascentará, e lhes servirá de pastor. E eu, o Senhor, serei o seu Deus, e o meu servo Davi será príncipe no meio delas; eu, o Senhor, o disse” (Ezequiel 34:23-24).

“Também meu servo Davi reinará sobre eles, e todos eles terão um pastor só; andarão nos meus juízos, e guardarão os meus estatutos, e os observarão. (…) e Davi, meu servo, será seu príncipe eternamente” (Ezeq. 37:24-25).

Observe este detalhe: “E Davi, meu servo, será seu Príncipe eternamente”.

Como um ser humano normal poderá servir como príncipe ou rei eternamente? Logo, concluímos que se trata da pessoa de Jesus Cristo, o Messias, o Príncipe de Israel.

Quanto a isso, o Apocalipse não deixa dúvidas de que o grande regente, durante o Reino Milenar, será Jesus Cristo (Cordeiro) e os 144 mil. Portanto, é mais difícil não acreditar que Jesus será esse Príncipe de Ezequiel.

“E olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o Monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que traziam na fronte escrito o nome dele e o nome de seu Pai. (…) Estes são os que não se contaminaram com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes foram comprados dentre os homens para serem as primícias para Deus e para o Cordeiro” (Apoc. 14:1,4).

A expressão “estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá”, indica que eles exercerão função de administração durante o Reino Milenar. Estes são os salvos escolhidos da Terra para se assentar ao lado de Cristo e julgar (governar) as nações. O problema é que os teólogos tradicionais não admitem isso que acabei de afirmar, pois esse grupo de 144 mil é composto apenas de judeus. Aí eles batem o pé, dizendo que esse é um grupinho qualquer de judeus salvos que “irão morrer como mártires durante a Grande Tribulação”. Puro besteirol teológico.

O Apocalipse tem uma linguagem muito mística e esotérica, e por isso, leva os cristãos a imaginarem coisas fantasiosas. Na verdade, muitos eventos do Apocalipse são acontecimentos simples e naturais, mas os personagens fantásticos e os simbolismos místicos empregados nas narrativas levam os crentes a imaginar fantasias.

***

Se este sumo-sacerdote Melquisedeque nunca existiu, e é apenas um personagem lendário da terra dos cananeus, então a citação dele na Bíblia seria para indicar uma referência à função sacerdotal que Jesus teria exercido antes de ter vindo ao mundo. Parece muito improvável isso que digo. Mas pode ter sido isso mesmo.

Apesar do autor da Carta aos Hebreus ter alegado que Jesus não se ofereceu em sacrifícios várias vezes, desde a fundação do mundo, mas uma passagem da Bíblia sugere que Jesus (Cordeiro de Deus) foi morto desde o começo do mundo.

“Doutra forma, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo; mas agora, na consumação dos séculos, uma vez por todas se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo” (Heb. 9:26).

“E adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro do Cordeiro, que foi morto desde a fundação do mundo” (Apoc. 13:8).

Vemos, claramente, que o texto afirma que o Cordeiro foi “morto desde a fundação do mundo”.

Se a interpretação do autor aos Hebreus está correta, então, essa referência de Apoc. 13:8 está errada ou foi mal traduzida. Se estiver mal traduzida, o correto é assim:

“E adorá-la-ão todos os que habitam sobre a Terra, esses cujos nomes não estão escritos, desde a fundação do mundo, no livro do Cordeiro que foi morto” (Apoc. 13:8).

Ora, se os cordeiros, oferecidos em sacrifícios desde o começo do mundo, são figuras do Cristo que havia de se oferecer, isto esclarece a declaração de Apoc. 13:8.

A referência de Apocalipse 17:8 está bem traduzida, quando cita o termo “desde a fundação do mundo”. Veja:

“E os que habitam sobre a terra, e cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde a fundação do mundo, se admirarão”.

Jesus, sendo o princípio da criação de Deus, pode ter exercido não só a função de criador dos mundos e das criaturas, mas também de regente e redentor das muitas criaturas que ele mesmo criou neste vasto Universo. Talvez Jesus não seja conhecido como redentor apenas dos terráqueos, mas de outras criaturas inteligentes que habitam em outros mundos. Somente um personagem com as qualificações de Jesus pode exercer, ao mesmo tempo, as funções de criador, regente e redentor ou salvador. Termino aqui.

_______________________

Falou e disse Miquels7.

Manaus, 17/11/2013.

Anúncios

17/11/2013 - Posted by | DOUTRINAS E DOGMAS, ESTUDOS BÍBLICOS, TEMAS DIFÍCEIS | , , , , , , ,

1 Comentário »

  1. Nunca o jesus foi filho de Deus,Se for assim,deve ser aqueles deus de mentiras.

    Curtir

    Comentário por Rafael | 28/09/2015 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: