MENSAGENS PARA A GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS

Blog com mensagens e artigos diferentes sobre Deus e a Bíblia

PROVANDO QUE NÃO HAVERÁ ARREBATAMENTO PARA OS CRENTES GENTIOS

*****
Os mortos ressuscitarão primeiro

A Primeira Ressurreição não será feita por fases, e ela só ocorrerá uma única vez após a Grande Tribulação. E pelo que Paulo ensinou, o ARREBATAMENTO só ocorrerá após a PRIMEIRA RESSURREIÇÃO. Portanto, é errado esperar o arrebatamento para antes da Grande Tribulação, ou para antes da PRIMEIRA RESSURREIÇÃO.

“Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que já dormem. Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor” (I Tessal. 4:15-17).

Note que esse “NÓS, QUE FICARMOS VIVOS”, refere-se aos judeus, especificamente ao grupo de 144 mil, que serão selados e guardados durante a Grande Tribulação, aguardando o arrebatamento que só acontecerá após a PRIMEIRA RESSURREIÇÃO.

“E vi outro anjo subir do lado do sol nascente, tendo o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, quem fora dado que danificassem a terra e o mar, dizendo: Não danifiques a terra, nem o mar, nem as árvores, até que selemos na sua fronte os servos do nosso Deus. E ouvi o número dos que foram assinalados com o selo, cento e quarenta e quatro mil de todas as tribos dos filhos de Israel” (Apoc. 7:2-4).

Só haverá uma RESSURREIÇÃO DOS JUSTOS NO ÚLTIMO DIA. E os mártires da Grande Tribulação também são justos, por isso eles ressuscitam / REVIVEM e reinam com Cristo (Apoc. 20:1-4).

A ressurreição de Jesus foi uma exceção à regra. Paulo diz que Jesus foi as primícias dos que dormem. Os mortos que ressuscitaram junto com Jesus no momento de sua ressurreição trata-se, na verdade, das almas dos mortos que ele transportou do Hades para o Santuário Celestial. O texto de Mateus diz que muitos que ressurgiram dos mortos na ressurreição com Jesus foram vistos por muitas pessoas. Mas o texto não deixa claro se estes que ressuscitaram voltaram a conviver com seus parentes. Se voltaram a viver com seus parentes, então eles voltaram a morrer novamente. Todos os que foram ressuscitados na Bíblia, à exceção de Jesus, voltaram a morrer, inclusive Lázaro. E a Bíblia diz que ao homem é ordenado a morrer uma única vez. Se realmente houve casos de ressurreição de mortos, verdadeiramente mortos, então isso contraria o texto que diz que ao homem está ordenado a morrer uma única vez. Portanto, a ressurreição de Jesus foi uma exceção à regra, porque Ele ressuscitou em carne, osso e sangue, para nunca mais morrer. Por isso que a verdadeira PRIMEIRA RESSURREIÇÃO só acontecerá no último dia, depois da Grande Tribulação.

“Mas na realidade Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. (…) Pois como em Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados. Cada um, porém, na sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda” (I Cor. 15:20-23).

“E a vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia” (João 6:39).

“Disse-lhe Marta: Sei que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia” (João 11:24).

Em Daniel 12:2 está bem distinto a PRIMEIRA e a SEGUNDA ressurreição. A primeira ressurreição – a dos justos – acontecerá em uma única fase antes do estabelecimento do Reino Milenar; a segunda ressurreição – a dos ímpios – acontecerá após o Reino Milenar de Cristo.

“E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” (Daniel 12:2).

Em textos anteriores expliquei I Cor. 15:23, que diz: “Cada um, porém, na sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda”. Disse que neste versículo deveria ter uma vírgula depois da palavra Cristo, pois Cristo é um nome singular e a palavra “primícias” está no plural. Sendo assim, Cristo seria a PRIMÍCIA dos que dormem, e não primícias. Disse ainda que as PRIMÍCIAS seriam os mortos que ressuscitaram juntamente com Cristo, e que foram vistos por muitas pessoas, conforme Mateus 27:51-53. Se estes foram ressuscitados para nunca mais morrer, então estes foram levados para um lugar reservado nas alturas. Mas, se estes ressuscitaram e voltaram a conviver com seus parentes na terra, então eles voltaram a morrer novamente, assim como Lázaro.

“E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam, os sepulcros se abriram, e muitos corpos de santos que tinham dormido foram ressuscitados; e, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele [isto é, depois da ressurreição de Jesus], entraram na cidade santa, e apareceram a muitos” (Mateus 27:51-53).

Portanto, a RESSURREIÇÃO DO ÚLTIMO DIA é a ressurreição definitiva, onde o ser humano ressurreto não mais voltará a morrer. Os santos que ressuscitarem no último dia ainda serão MORTAIS. Só existe um ser que é imortal, que é Deus. Somente Ele possui nele só a imortalidade.  Os santos só serão “imortais” porque receberão o elixir da vida, o maná escondido, que fará com que vivam eternamente.

“Aquele que possui, ele só, a imortalidade, e habita em luz inacessível; a quem nenhum dos homens tem visto nem pode ver; ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém” (I Tim. 6:16).

OUTRO DETALHE INTERESSANTE

Não haverá dois arrebatamentos de salvos. Porém, os crentes, ao desprezar os 144 mil judeus santos, escolhidos e selados, retirados da terra por rapto, estão dizendo com isso que haverá dois arrebatamentos: o primeiro, dos 144 mil judeus, e o segundo, dos salvos do povo gentio, que chamam de “igreja”.

Se o selamento dos 144 mil judeus santos, e a posterior aparição dos mesmos, relatada no capítulo 14 de Apocalipse, não for um arrebatamento, do que se trata, então, esse evento? Quem são os 144 mil? Por que foram selados e protegidos durante a Grande Tribulação? E por que aparecem no céu diante do trono de Deus e dos anjos cantando um hino especial que só eles podiam cantar? Que grupinho de judeus nojentos é esse, que os teólogos gentios dizem que foram separados com a finalidade de vir pregar o evangelho durante a GT e que possivelmente morrerão como mártires? A discriminação contra os judeus por parte dos gentios é tão absurda que chegam a desqualificar a primazia desse povo escolhido de Deus. Nem mesmo se cogita no Apocalipse que os 144 mil pregarão o Evangelho ou morrerão como mártires. Antes, diz que eles são AS PRIMÍCIAS dos santos, a nata do povo salvo. E eles retornarão do céu com Cristo para governar o mundo durante mil anos. A Nova Jerusalém que desce do céu, retratada no capítulo 21 de Apocalipse, é a Comitiva dos 144 mil judeus, que também representam a Noiva do Cordeiro. Toda a numerologia dessa cidade santa refere-se ao número 144, significando que se trata do grupo dos 144 mil.

Os 144 mil judeus santos foram selados a fim de serem protegidos da morte e dos juízos de Deus durante a Grande Tribulação. E nada indica que eles morrerão durante a GT. Antes, vemos que eles aparecem no Santuário Celestial diante do Trono de Deus, cantando e se regozijando. E em nenhum momento se diz que eles morrerão como mártires durante a GT.

*****
Já afirmei em textos anteriores, publicados aqui, que a Escatologia tradicional ensinada nas igrejas evangélicas está toda errada e confusa. Como os teólogos tradicionais, cabeças-duras, não querem dar o braço a torcer, esses crentes gentios malucos continuarão vivendo de ilusões e fantasias, esperando um arrebatamento que nunca virá para eles.

No ano de 2008, quando se falava muito na internet sobre colapso da economia global, e teóricos da conspiração especulando sobre a tal chegada do Anticristo e o controle do mundo, período que podia estar demarcando o arrebatamento dos crentes, principalmente pelo que se dizia que iria acontecer ao mundo no ano de 2012, escrevi um texto apontando os principais sinais do arrebatamento. Só que nessa época a minha mente ainda estava muito contaminada com o velho ensinamento teológico tradicional sobre Escatologia bíblica. Daí que, se você leu o que disse naquela época, pode pensar que estou me contradizendo. Não. Estou apenas corrigindo o que aprendi de errado na igreja evangélica durante mais de 20 anos como membro ativo, inclusive comentando lições bíblicas na Escola Dominical para jovens e adultos. Desde aquela época eu já não acreditava em muitas doutrinas que ainda são ensinadas nessas igrejas evangélicas. Mas eu não podia contrariar o meu pastor e nem contrariar o ensino errôneo contido nas revistas da EBD.

OS SINAIS MAIS EVIDENTES DO ARREBATAMENTO DOS ESCOLHIDOS

Aprendi muito sobre Escatologia bíblica lendo o livro “O Futuro Glorioso do Planeta Terra”, de Arthur E. Bloomfield. Esse extraordinário teólogo e escatologista nasceu na Inglaterra ainda no século XIX, lecionou em várias escolas e escreveu vários livros. Tinha muito conhecimento bíblico, principalmente sobre o livro de Apocalipse. Nesse livro, supracitado, ele o introduz com um estudo preliminar sobre Hermenêutica, que é arte de interpretação dos textos sagrados.

Arthur E. Bloomfield ficou intrigado pelo fato do livro de Apocalipse não falar claramente sobre o arrebatamento da Igreja. Foi aí que lhe caiu a ficha quando releu várias vezes o capítulo 12 de Apocalipse. Ele chegou à conclusão de que o relato do capítulo 12 de Apocalipse trata-se do arrebatamento dos salvos. No entanto, eu, particularmente, discordo quanto ao arrebatamento, e digo que se trata da elevação do reino dos mortos salvos para junto do altar no Santuário Celestial, onde se encontra a Arca da Aliança, que nada mais é que o Trono do Todo-Poderoso. A Arca da Aliança que Deus mandou construir no deserto no tempo que Moisés liderava o povo hebreu nada mais era do que uma réplica do Trono de Deus. As Rodas de Ezequiel e os quatro querubins com quatro rostos representam os lados dessa Arca, que na verdade é um grande trono rodeado pelos 24 anciãos e por cima fica os querubins. Por isso que na réplica do Trono de Deus feita aqui na Terra, cujo nome dado foi Arca da Aliança, haviam dois querubins de bronze postos sobre a arca, simbolizando os querubins que ficam sobre o Trono de Deus no céu. Quando Jesus morreu, a Bíblia diz que ele desceu até o reino dos mortos, no Hades. Em Apocalipse Jesus mesmo diz que tomou as chaves da morte e do Inferno. Daí concluo que Ele, ao ressuscitar, trouxe consigo as almas dos santos que se encontravam no Hades, na parte que em grego se chamava “Campos Elísios”. Jesus transportou as almas dos santos que morreram desde a fundação do mundo – isto é, desde o tempo de Adão e Eva -, e os colocou próximo ao altar no Santuário Celestial. Esses santos receberam vestes brancas compridas, e estão aguardando a Primeira Ressurreição. Nenhum humano pode morar no céu definitivamente. Todos os santos que morreram e estão no Paraíso atual (que é o Santuário Celestial) deverão reencarnar e voltar à condição de humano novamente, para habitarem eternamente neste planeta Terra restaurado. É para isso que vai servir a ressurreição: para que os santos que morreram voltem à condição de humanos, em carne e osso. Se não for assim, para que servirá a ressurreição? Os crentes não dizem que quando um salvo morre ele vai diretamente para o céu? E se os salvos que morreram já estão no céu, qual a necessidade de haver ressurreição, ora bolas? Ah, mas dizem que tem que haver ressurreição para que se cumpra a justiça de Deus. Ora, isso é apenas balela de teólogo maluco! Coisa sem fundamento. Será que Deus é maluco para ficar fazendo dois trabalhos sem sentido: levando para o céu o crente salvo que morreu, e depois trazendo-o de volta aqui na Terra para fazê-lo ressuscitar, para novamente levá-lo arrebatado para o céu? Que coisa mais sem noção! Quanta teimosia desses teólogos tradicionais!

No Apocalipse está bem escancarado o fato do ARREBATAMENTO dos salvos nos capítulos 7 e 14. Mas, os teólogos cristãos não querem ver, não querem admitir que o selamento dos 144 mil judeus das 12 tribos de Israel espalhadas sobre a Terra seja o caso do arrebatamento.

“Por isso foi dito: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens. Ora, isto-ele subiu-que é, senão que também desceu às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu muito acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas” (Efésios 4:8-10).

“Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito; no qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão; os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava, nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas, isto é, oito almas se salvaram através da água” (I Ped. 3:18-20).

“Eu sou o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre! e tenho as chaves da morte e do inferno” (Apoc. 1:18).

“Portanto, visto como os filhos são participantes comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das mesmas coisas, para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo” (Hebreus 2:14) [NESTE CASO, O AUTOR QUER DIZER QUE O DIABO ERA QUEM MANDAVA NA ALMAS DOS MORTOS NO HADES, TANTO DOS QUE ESTAVAM NO “CAMPOS ELÍSIOS, QUANTO OS QUE ESTAVAM NO “ÉREBO” E TAMBÉM OS QUE ESTAVAM NO “THÁRTARUS”, OU POÇO DO ABISMO].

Veja o texto que prova que os santos e os mártires da Grande Tribulação terão que REVIVER para reinar com Cristo durante mil anos. Reviver é reencarnar, é ressuscitar em carne e osso, literalmente.

“Então vi uns tronos; e aos que se assentaram sobre eles foi dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus, e que não adoraram a besta nem a sua imagem, e não receberam o sinal na fronte nem nas mãos; e REVIVERAM, e reinaram com Cristo durante mil anos” (Apoc. 20:1-4).

Aprendi também com Arthur E. Bloomfield que os juízos das Sete Trombetas e das Sete Taças da Ira são a mesma coisa. Os juízos das Sete Taças da Ira de Deus, João apenas fez uma repetição do que tinha visto do ponto de vista do céu. As Sete Trombetas tocadas foram vistas por João do ponto de vista do céu; João visualizou os anjos de perfil. Já a visão do derramamento das Sete Taças da Ira João visualizou do ponto de vista da Terra; João viu as trombetas como grandes taças de juízos sendo derramadas sobre a Terra.

O ensino teológico tradicional sobre Escatologia é tão confuso que os comentaristas chegam a se perder em relação à ordem da ressurreição e do arrebatamento dos salvos.

Paulo ensina na sua epístola aos tessalonicenses que OS MORTOS RESSUSCITARÃO PRIMEIRO, depois, os vivos salvos SERÃO ARREBATADOS. Ele diz claramente que os vivos não precederão os que dormem.

Porém, os crentes malucos ficam tão aficionados nesse negócio de arrebatamento, que se esquecem que os mortos ressurgirão primeiro. E para piorar as coisas, esses escatologistas pré-tribulacionistas acham que os salvos serão arrebatados antes da Grande Tribulação. O problema é que a PRIMEIRA RESSURREIÇÃO só irá acontecer no final da Grande Tribulação. Então, se será assim, por que esses crentes malucos esperam um arrebatamento antes da ressurreição, se primeiro tem que ocorrer a PRIMEIRA RESSURREIÇÃO? E esta somente no final da Grande Tribulação?

*****
Irei explicar com mais detalhes essas questões e também sobre o único grupo de santos vivos que serão arrebatados: os 144 mil judeus, que representam a Noiva do Cordeiro.

No Apocalipse só aparecem três grupos de salvos: o primeiro, no capítulo 6 – quando é aberto o quinto selo -, que se refere aos santos martirizados no início da Era Cristã. As almas desses santos são levadas para o céu, e ficam junto ao altar do Santuário Celestial aguardando a primeira ressurreição. Repare que esses salvos são mártires, isto é, crentes que MORRERAM por amor a Jesus e por causa da pregação do Evangelho. O segundo grupo de salvos está descrito no capítulo 7 de Apocalipse. E aí também se diz que esses salvos oriundos de toda raça, tribos e nações (multidão que ninguém podia contar) são os mártires que vieram da Grande Tribulação. Logo se vê que esse grupo de salvos não foram “arrebatados”, mas, sim, mortos ou martirizados. O terceiro grupo de salvos refere-se aos 144 mil judeus santos, que foram selados e guardados protegidos para a hora do arrebatamento. Esses 144 mil judeus santos será o único grupo de vivos que serão arrebatados sem terem provado da morte. Os teólogos tradicionais – que não se conformam que Judeu é superior aos crentes gentios – dizem que esses 144 mil judeus é apenas um grupinho de judeus que serão escolhidos para pregar o Evangelho durante a Grande Tribulação, e possivelmente morrerão como mártires. Mas isso é mais pura mentira desses teólogos gentios. Por inveja dos judeus, esses teólogos tradicionais querem desqualificar e tomar a primazia dos judeus. Esse grupo de 144 mil judeus são humanos santos e irrepreensíveis, e que serão tomados da Terra como PRIMÍCIAS para Deus e para o Cordeiro. Eles representam a verdadeira Igreja, ou a legítima Noiva do Cordeiro. O texto de Apocalipse 14 não deixa dúvidas: esse grupo de 144 mil é especial. Eles sempre estarão ao lado do Cordeiro e o seguem para onde quer que vá. Ou seja, eles representam a Noiva do Cordeiro. E Jesus retornará do céu com esses 144 mil em comitiva, também chamada de Nova Jerusalém, para reinar com eles aqui na Terra durante mil anos. Os salvos dos povos gentios serão os CONVIDADOS das bodas do Cordeiro. Eles terão que ressuscitar para voltarem à forma humana, para formar as nações que povoarão a Nova Terra restaurada.

Tem um certo pastor escritor e blogueiro que diz que os “convidados” das Bodas do Cordeiro, de Apoc. 19:9, serão os anjos, os arcanjos e querubins. Só que os convidados das Bodas do Cordeiro, de Apoc.19:9, não podem ser os anjos, pois se diz “Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das Bodas do Cordeiro”. E pelo que sabemos, os anjos já são bem-aventurados por natureza. Logo, nota-se que o texto está se referindo a um grupo de salvos da Terra. E também sabemos que numa festa de casamento (bodas) existe o Noivo, a Noiva e os convidados. Os anjos não podem participar do banquete dos santos. O Cordeiro, Jesus, é o Noivo; o grupo dos 144 mil é a Noiva (pura, virgem, imaculada – Vide Apoc. 14); os outros salvos de todas as nações são os convidados. 

E tem outro detalhe: Em nenhum canto da Bíblia se diz que a Igreja é a Noiva de Cristo. A Igreja é comparada a uma mulher casada, esposa, também chamada de corpo de Cristo. Mas nunca é chamada de noiva. Até mesmo a palavra “noiva” é tão rara nos livros do Novo Testamento, que só aparecem 6 referências a ela, uma em João 3:29 e as demais no Apocalipse. E das cinco vezes em que aparece a palavra “noiva” no Apocalipse, quatro delas se refere ao grupo dos 144 mil.

Fico p. da vida com esses teólogos que teimam em discriminar e tomar a primazia dos judeus. Os 144 mil serão os únicos arrebatados vivos.

“E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. Disse-me ainda: Estas são as verdadeiras palavras de Deus” (Apoc. 19:9).

Veja, agora, se esse grupo de 144 mil judeus salvos é ou não é especial:

APOCALIPSE 14:1-5

1 E olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o Monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que traziam na fronte escrito o nome dele e o nome de seu Pai.
2 E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão e a voz que ouvi era como de harpistas, que tocavam as suas harpas.
3 E cantavam um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro seres viventes e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil, aqueles que foram comprados da terra.
4 Estes são os que não se contaminaram com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes foram comprados dentre os homens para serem as primícias para Deus e para o Cordeiro.
5 E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis.

Vou explicar outras coisas com mais detalhes.

*****
O Livro de Apocalipse é o livro mais espetacular e incrível do mundo. Todo o plano traçado por Deus está retratado neste livro, e inclui o tempo passado, presente e futuro.

Irei traçar um mapa para mostrar onde começa e onde termina os relatos, e farei a ligação dos demais capítulos aos primeiros, pois o enredo dos eventos apocalípticos não foi escrito de forma cronológica. Há capítulos que são explicações à parte, pormenorizadas, de eventos relatados nos primeiros capítulos.

Mas, há um “porém” sobre este livro. O Livro de Apocalipse foi escrito por um judeu, direcionado às comunidades judaicas que viviam na Ásia Menor, e todo o conteúdo do livro trata com a causa dos judeus. Nós, gentios, somos meros espectadores do enredo apocalíptico. Porém, os cristãos gentios querem tomar primazia no enredo apocalíptico, mas o próprio livro adverte aos que querem ser judeu e não são.

“Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não o são, porém são sinagoga de Satanás” (Apoc. 2:9).

“Eis que farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem, eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo” (Apoc. 3:9).

Essa Sinagoga de Satanás pode estar se referindo a esses grupos de cristãos evangélicos que afirmam ser o “Israel Espiritual”.

O texto apocalíptico é escancaradamente voltado para a causa judaica, que chega até a referir coisa humilhante para os gentios: “Eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo”. O texto diz claramente que os cristãos gentios “intrometidos” serão obrigados a ADORAR os judeus.

*******
O MAPA DO APOCALIPSE

Elaborei resumidamente em 4 páginas o Mapa do Apocalipse.

A interpretação é muito diferente da tradicional, e foi isso que consegui entender durante anos de estudo da Bíblia.

Com este resumo você já pode ter uma ideia de quão diferente é a minha visão e interpretação do Apocalipse.

Ainda postarei no meu blog um estudo bem mais detalhado do Apocalipse, explicando tim-tim por tim-tim cada capítulo, principalmente os pontos mais polêmicos e que causam divergências.

Mapa do Apocalipse - Elaborado por Miquels7 (2016) pág.1
*******
Mapa do Apocalipse - Elaborado por Miquels7 (2016) pág.2
*******
Mapa do Apocalipse - Elaborado por Miquels7 (2016) pág.3
*******
Mapa do Apocalipse - Elaborado por Miquels7 (2016) pág.4
*******
Para baixar o Mapa do Apocalipse no formato PDF, clique em MAPA DO APOCALIPSE.

[CONTINUA]

XXXXX

Anúncios

11/02/2016 - Posted by | ESCATOLOGIA BÍBLICA, ESTUDOS BÍBLICOS, MISTÉRIOS DA BÍBLIA | , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: