MENSAGENS PARA A GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS

Blog com mensagens e artigos diferentes sobre Deus e a Bíblia

SAIBA DE TODA A VERDADE SEM FANATISMO RELIGIOSO

**********
Vou resumir em tópicos alguns assuntos políticos e religiosos do momento, para que os leitores abram a mente e tenham ideia do que realmente está acontecendo e ainda vai acontecer no mundo, e sobre a esperança dos crentes em relação à volta de Jesus, o arrebatamento e o temível fim do mundo.
**********

a-besta-e-a-grande-meretriz-do-apocalipsecapitalista-x-socialista

I – POR QUE O MUNDO TODO SE PREOCUPA COM A ELEIÇÃO PRESIDENCIAL NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA (EUA) ?

A cada eleição de presidente nos EUA o mundo todo fica preocupado. Por que isso acontece com os EUA e com outros países do mundo, não?

O mundo todo fica preocupado com a eleição presidencial nos EUA porque este país é o mais importante da Terra. Todos os países do mundo ficam preocupados com os rumos da política e da economia dos EUA porque são eles que dominam sobre a política e a economia no mundo, e também os que comandam a ONU. Se as bolsas de valores americanas caem ou quebram, todas as bolsas do mundo também caem ou quebram juntas. Só teve um poder que se atreveu a enfrentar o governo da Besta: os terroristas da Al-Qaeda, de Osama Bin Laden, que destruíram as duas Torres Gêmeas, o famoso World Trade Center (Centro Financeiro Mundial, em Nova York), em 2001, onde todos os países de regime capitalista do mundo faziam seus negócios.

Os Estados Unidos da América são o país mais importante do planeta, país imperialista que pretende dominar a política do mundo e comandar a economia de todos os países. E biblicamente, o país mais importante da Terra deveria ser Israel, mas não é.

Os EUA, juntamente com a ONU, representam aquilo que Apocalipse 13 retrata como a 2ª Besta que irá dominar o mundo e abolir as religiões, e colocar o homem (humanismo) como centro de tudo. Sem dúvida nenhuma, os EUA representam o pequeno chifre que sobressaiu sobre os 10 chifres do terrível animal (uma das 7 cabeças da 1ª Besta). E o seu domínio se estende sobre os quatro cantos do mundo. Atualmente os EUA são um país INDESTRUTÍVEL. Se os teólogos tradicionais acham que o tal Anticristo virá do norte, de um país comunista, eles estão redondamente enganados. Para que um ou vários países comunistas comandem o poder aqui na Terra, primeiramente os EUA têm que ser destruídos e varridos do mapa. E bem sabemos que os EUA são um país indestrutível, pois eles detêm o maior poder bélico/militar (PENTÁGONO) e o maior arsenal nuclear do mundo, os melhores e mais modernos aviões de combate do planeta, além de vários submarinos recheados de mísseis e ogivas nucleares, além de gigantescos porta-aviões que se locomovem rapidamente entre os oceanos. Mesmo que a economia dos EUA quebre e o país entre numa guerra civil, no entanto, o seu poderio militar e bélico continuará sendo imbatível e indestrutível, porque numa guerra pode faltar tudo para a população civil, menos para os soldados combatentes; e verbas para o exército e o Pentágono é que não vão faltar.

Os EUA ainda não dão sinais evidentes de que são realmente a 2ª Besta do Apocalipse devido o país ser apenas o EMBRIÃO do governo do Anticristo. Ainda se passarão muitos anos até que o governo da Besta se fortaleça e domine definitivamente o mundo.

Segundo Apocalipse 13, a 2ª Besta tem aparência de um cordeiro com 2 chifres pequenos, mas fala como um dragão. Daí conclui-se que se trata de um país ou governo onde predomina uma religião cristã falsa.

Devido aos avanços da Ciência e o inevitável declínio da religião cristã, somados aos direitos das minorias (direitos humanos dos ateus e homossexuais), a tendência é haver um combate geral a todas as religiões do mundo, principalmente a muçulmana (Islamismo), pois, os países que participam do conselho da ONU chegarão à conclusão de que as religiões é que fomentam a maioria das guerras no planeta, e também os regimes ditatoriais e comunistas. O combate aos comunistas e ditadores vai se intensificar no mundo todo, até que todos caiam e predomine a democracia e o sistema capitalista/economia livre de mercado em todos os países. Alguns países do mundo serão difíceis de serem dominados e extinguidos os seus regimes ditatoriais, islâmicos ou comunistas. É o caso do Irã, da China e da Coreia do Norte. Só que a Besta/ONU irá sufocar esses países através do embarco econômico, de tal forma que eles não terão influência política no mundo.

Portanto, os Estados Unidos da América continuarão comandando o destino do mundo aqui na Terra, ditando o regime político e o sistema econômico que os países devem seguir. E não haverá outro poder que possa derrotá-los, exceto o poder de Deus.

Mesmo que se trave a 3ª Guerra Mundial e os EUA tenham grandes perdas, eles têm poder de se levantar e continuarão dominando o mundo. Como já falei, anteriormente, os EUA são um país indestrutível. Mesmo que os EUA sofram o maior terremoto da história, eles continuarão fortes. Mesmo que sejam lançadas bombas atômicas sobre algumas cidades americanas, eles têm condições de contra-atacar e destruir todos os seus inimigos em questões de horas.

Portanto, que outro poder político além dos EUA pode dominar a Terra, de tal forma que seja tido como a 2ª Besta do Apocalipse? Sabemos que a Rússia e a China têm um poderoso exército, gigantescos porta-aviões e grande arsenal de bombas nucleares. Porém, esses dois países não são imperialistas, e não têm intenção de conquistar os países e dominar o mundo. Rússia e China tem pouca influência no conselho da ONU e também não exercem tanta influência sobre a política e a economia global como exercem os EUA.

II – O TEMPO DO FIM AINDA NÃO ESTÁ PRÓXIMO

Durante a história os crentes sempre viveram na expectativa da iminente volta de Jesus. Mas tudo isso não passa de fanatismo religioso. Quando chegou o ano 1.000 d.C. os crentes imaginavam que era chegado o tempo do fim, da volta de Jesus e do arrebatamento. Passou-se o ano 1.000 e o que se viu foram guerras e mais guerras – como as Cruzadas -, pestes e fome na Terra, período que ficou conhecido como Idade Média. Depois veio a Revolução Industrial do século XIX, até que se travou a 1ª Guerra Mundial em 1914. E os crentes novamente começaram a pregar, ter sonhos e visões sobre a iminente volta de Jesus, o arrebatamento e o fim do mundo. E nada disso aconteceu. E novamente em 1939 se travou a 2ª Guerra mundial, e foi aquele “Deus nos acuda” dos crentes, pregando sobre arrebatamento e volta de Jesus. Puro fanatismo religioso. E continuam assim. No auge da Guerra-Fria entre americanos e soviéticos no início da década de 1980, o que mais se pregava nas igrejas era a volta de Jesus e o arrebatamento. São incontáveis os testemunhos dos crentes sobre visões e sonhos do arrebatamento, volta de Jesus e fim do mundo. Teve até um importante líder das Assembleias de Deus que em 1983 fez um alerta em rede nacional via rádio para os crentes se preparem para a iminente volta de Jesus, por causa de uma possível guerra nuclear entre EUA e Rússia e também por causa de revelações e sonhos sobre a volta de Jesus. E no final da década de 1980 e início da de 90 foi o período em que mais surgiram heresias sobre a volta de Jesus e o tal arrebatamento. Em 1990 a Assembleia de Deus lançou uma revista de Escola Dominical com o tema “Década da Colheita”, justamente prevendo o fim do mundo e a volta de Jesus para o final daquela década, antes do ano 2.000. Pois, ensinava-se erroneamente nas igrejas que nenhuma geração havia chegado a 2 mil anos. E possivelmente a volta de Jesus aconteceria antes do ano 2.000. E foi tanta a expectativa sobre o fim do mundo que até as pessoas descrentes também entraram na onda, e diziam que Nostradamus havia profetizado o fim do mundo para o ano de 1999. Depois, surgiram mais heresias sobre a volta de Jesus para o ano de 2007. E nada aconteceu. E todos os anos esses crentes malucos têm sonhos e visagens sobre arrebatamento e volta de Jesus, quebram a cara, mas continuam nesse frenesi, alarmando o tempo todo. Basta fazer uma pesquisa nos vídeos do Youtube para constatar o que digo.

Teve um pastor e escritor da Assembleia de Deus, Abraão de Almeida, que lançou o livro intitulado “Israel, Gogue e o Anticristo” na década de 1980, alarmando os crentes sobre o domínio do Comunismo no mundo, liderado pela Rússia, antiga ex-União Soviética, que seria o governo da Besta ou Anticristo. E depois que caiu o Muro de Berlim, que dividia as Alemanhas comunista e democrática em 1989, e depois que caiu a Cortina de Ferro da Rússia em 1991, com a derrubada de Gorbachev – passando a ser um país democrático -, o escritor Abraão de Almeida se viu desacreditado e envergonhado por ter escrito tantas heresias sobre quem seria a tal Besta do Apocalipse ou Anticristo. Desde lá o pastor já reeditou e relançou o mesmo livro “Israel, Gogue e o Anticristo”, retratando-se sobre as besteiras que havia escrito e acrescentando outros prognósticos nada convincentes sobre o que vai acontecer no futuro próximo. E para aumentar o frenesi entre os crentes, trava-se em 1990/1991 a Guerra do Golfo Pérsico entre EUA e Iraque, causando maior alvoroço e expectativa sobre a volta de Jesus. Sempre que acontecem guerras, terremotos e catástrofes os crentes ficam alvoroçados, tudo isso por causa de fanatismo religioso e lavagem cerebral. Jesus disse aos seus discípulos que eles ouviriam falar de guerras e rumores de guerras, pestes, fomes e terremotos, e que era mister tudo isso acontecer, porém, AINDA NÃO É O FIM.

Outro dia presenciei uma conversa em casa de alguns crentes sobre a volta de Jesus e o arrebatamento. Teve um que disse que o arrebatamento é um acontecimento secreto, que ninguém vai saber. Aí eu entrei na conversa e disse: Vocês passam o tempo todo na igreja ouvindo pregações e cantando hinos sobre a volta de Jesus, mas não sabem o que vai acontecer no dia da volta de Jesus? Ou no dia do arrebatamento? Falei a eles sobre aquele hino que diz “o mercado está vazio, seu trabalho já parou, o martelo dos obreiros, seu barulho já cessou; os ceifeiros lá no campo terminaram seu labor; sai a última notícia, Jesus Cristo já voltou”. Disse ainda que o hino fala que no dia do arrebatamento haverá um caos total no mundo, porque trens e aviões ficarão desgovernados porque muitos pilotos serão arrebatados, os trens desgovernados descerão no precipício e os aviões cairão, matando milhares de pessoas. Falei que é isso que se ensina nas igrejas evangélicas, e que os crentes pensam que vai acontecer na volta de Jesus. Só heresias. Nada haver isso que o hino diz que vai acontecer na volta de Jesus.

Conclusão: Os crentes vivem o tempo todo nessa expectativa da volta de Jesus, sem ter um pingo de noção sobre a contagem dos tempos, simplesmente porque a Bíblia diz que não sabemos o dia e a hora em que Ele vai voltar. Só que podemos determinar o ANO aproximado do final dos tempos. Dia e hora não podermos determinar, mas o ANO, sim. Para isso tem vários enigmas na Bíblia envolvendo a numerologia do número sete (7), e o Apocalipse é o livro em que mais aparecem enigmas do número sete.

III – O TEMPO DO FIM É DETERMINADO PELA NUMEROLOGIA DO NÚMERO SETE (7)

Os escatologistas mais sensatos sabem que as profecias bíblicas obedecem a tempos determinados pelos múltiplos do número sete (7), principalmente os números 42, 49, 70, e 490. Por isso, o número 7 é tipo como o número de Deus, o número que representa a perfeição ou a plenitude de algo.

Por exemplo, no livro de Josué, por ocasião da destruição das muralhas da cidade de Jericó, os hebreus tiveram que seguir um rigoroso ritual determinado por Deus para que tudo desse certo. Para que as muralhas de Jericó fossem destruídas, Deus ordenou um ritual de 7 dias. Durante 6 dias os israelitas teriam que dar apenas uma volta ao redor da cidade. Mas no sétimo dia eles teriam que dar 7 voltas em torno da cidade. Deus também ordenou que fossem preparados 7 sacerdotes com 7 cornetas/trombetas de chifres de carneiro para serem tocadas durante o ritual. No sétimo dia, e na última volta ao redor da cidade, os sacerdotes teriam que tocar bem alto as trombetas e todo o povo tinha que gritar e fazer o maior barulho possível, para que as muralhas da cidade ruíssem. E fizeram conforme Deus ordenou, e finalmente os muros da cidade caíram e Josué e seus homens terminaram de conquistar Jericó.

Na Bíblia, as cidades de Babilônia, Egito e Jericó são símbolos do mundo e seus sistemas de coisas. No Apocalipse se repete o mesmo ritual do número sete (7), com a abertura dos 7 selos, depois, com os toques de 7 trombetas dos juízos de Deus, por 7 anjos, e finalmente, o derramamento de 7 taças da ira de Deus sobre a Terra. Todo esse ritual será necessário acontecer para que a Terra seja conquistada e tomada das mãos do inimigo, o governo da Besta. A Terra será conquistada e dada aos redimidos, os salvos que a herdarão e habitarão nela para sempre. Por isso Jesus disse: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a Terra”. Somente Deus tem poder para destruir o governo da Besta aqui na Terra. Por isso, Deus preparou os juízos que sobrevirão aos habitantes da Terra, que não querem saber de Deus, e também sobre o reino da Besta, e inclusive está previsto até cair um grande meteoro sobre o Oceano.

Existe um segredo sobre a contagem dos tempos envolvendo a numerologia do número sete (7) que poucos escatologistas sabem. É o intervalo de tempo entre o 6º e o 7º período de tempo. Ou seja, entre os juízos da 6ª e a 7ª trombetas haverá um pequeno intervalo de tempo. Da mesma forma, haverá um intervalo de tempo entre os juízos da 6ª e 7ª taças da ira de Deus.

Vou explicar melhor.

Segundo os melhores estudiosos dos tempos proféticos, a humanidade passará por um período de 6 mil anos de provação, a fim de que os humanos façam a escolha entre Deus e o Diabo, entre a salvação e a perdição. E a contagem desse tempo começou desde a expulsão de Adão e Eva do paraíso, há quase 6 mil anos atrás. Só que o tempo do fim não se dará exatamente no final do 6º milênio, isto é, agora. Pois, ainda existe um intervalo de tempo até que se inicie oficialmente o 7º milênio. No Apocalipse não está especificado a duração desse intervalo de tempo. O 7º milênio é descrito no Apocalipse como o tempo em que Cristo irá reinar com os judeus e a Igreja aqui na Terra.

Temos que atentar para alguns detalhes. Se a dispensação da graça tem que durar 2 mil anos – ou 2.100 anos como ensina o esoterismo a duração de uma era zodiacal -, então o 7º milênio ainda não se iniciou. Pois, nosso Senhor Jesus Cristo morreu e ressuscitou no ano 33 d.C, mas sabemos que o Calendário Gregoriano é 5 anos atrasado, tendo portanto a morte de Jesus ocorrida no ano 29 d.C. Se a contagem da dispensação da graça começa exatamente no ano da morte e ressurreição de Cristo, isso significa que só se completarão 2 mil anos exatamente no ano 2.029. No entanto, tem outro detalhe. Jesus Cristo disse que não veio abolir a Lei e os profetas. Antes a cumpriu, ou seja, Cristo obedeceu a Lei. Jesus disse que passariam os céus e a terra, mas nenhum til o jota seriam omitidos da Lei. E sabemos que o Sacerdócio Levítico só terminou no ano 70 d.C., por ocasião da destruição do Grande Templo pelo Império Romano, que culminou com a dispersão dos judeus para outras nações, período conhecido como segunda Diáspora. Se os rituais da Lei Mosaica só encerraram no ano 70, com a destruição do Templo, então significa que o período da dispensação da graça só se iniciou depois desse ano, no ano 71. Como o Calendário Gregoriano tem 5 anos de diferença, então o ano 71 equivale ao ano 67 d.C. Isso significa que o 7º milênio só começará a partir do ano 2.067. Ou estou equivocado?

No entanto, deve ficar entendido que existe um intervalo de tempo entre o 6º e o 7º milênio. Se o 6º milênio termina em 2.067, ainda teremos cerca de 42 ou 70 anos até que se inicie o 7º milênio. Esse intervalo de tempo não pode ser menor que 42 ou 70 anos. Os escatologistas tradicionais ensinam que após o arrebatamento da Igreja, o mundo entrará num período chamado de Grande Tribulação, que durará cerca de 7 anos, e na metade desse tempo (42 meses) é que acontecerão os juízos das trombetas e das taças da ira de Deus descritos no Apocalipse. E só depois disso é que virá o reino milenar de Cristo com a Igreja, ou seja, o 7º milênio. Mas eu não creio que esse intervalo entre o 6º e o 7º milênio seja de apenas 7 anos.

IV – NÃO HAVERÁ ARREBATAMENTO PARA OS CRENTES GENTIOS

Toda a Bíblia, e inclusive o livro de Apocalipse, trata exclusivamente com o povo hebreu, os judeus. Depois que os pais da Igreja Primitiva morreram, os padres da Igreja Católica assumiram a liderança da religião cristã na Terra e passaram a perseguir os judeus, acusando-os de terem crucificado o Filho de Deus. Aboliram o Santo Sábado e adotaram o Domingo como o dia do Senhor [deus Sol]. Passaram a ensinar que os cristãos gentios tomaram a primazia de tudo no reino de Deus, e passaram a ser o povo preferido de Deus. Só que tudo isso é mentira dos padres católicos e teólogos evangélicos. Os judeus não perderam a primazia em nada no reino de Deus. Nós, gentios, devemos dar graças aos judeus pela salvação nos ter alcançado. O apóstolo Paulo disse que os judeus ainda têm a primazia em tudo, e embora Deus os tenha desprezado e deixado o seu povo escolhido sofrer espalhado entre as nações, no entanto, prometeu trazê-los e congregá-los em sua terra natal, a Terra Santa, em Israel. Paulo disse que nós, crentes gentios, fomos apenas enxertados na árvore principal que são os judeus, e os galhos dessa árvore não podem se considerar superiores e mais importante que o tronco.

Como disse anteriormente, toda a Bíblia e o livro do Apocalipse trata exclusivamente com a causa dos judeus. Jesus Cristo veio somente para o seu povo, os judeus. Quando Jesus comissionou 70 discípulos a fim de anunciarem as boas-novas, ordenou que não se dirigissem aos gentios, mas somente às ovelhas perdidas da casa de Israel. Nós, gentios, fomos incluídos na salvação por causa de um vacilo do povo judeu. João evangelista e Paulo afirmaram em seus escritos que o povo de Israel rejeitou o Messias e o crucificaram. Mas, na realidade não foi bem assim que aconteceu. Foram as lideranças religiosas de Israel que rejeitaram Jesus como o Messias prometido. E também rejeitaram todos os evangelhos e as epístolas de Paulo. Porém, a maioria do povo humilde de Israel recebeu de bom coração Jesus, o Messias. E milhares de judeus e gentios cristãos morreram nas arenas romanas e outros sobreviveram escondidos em várias regiões da Ásia Menor.

Jesus mesmo deixou bem claro que não foi enviado para salvação dos gentios, mas para o povo escolhido de Deus, o povo de Israel.

“Respondeu-lhes ele [Jesus]: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 15:24).

Os padres católicos e teólogos evangélicos acusam os judeus de terem crucificado o Filho de Deus, mas isso não é verdade. Por onde Jesus andava e pregava sempre era seguido por grandes multidões de pessoas. Jesus sempre foi querido e bem recebido pelo seu povo, o povo humilde. Quem não recebeu Jesus foram os sacerdotes, os fariseus e os políticos daquela época, e conspiraram até que conseguiram crucificá-lo. Quando Jesus entrou pela última vez na cidade de Jerusalém, por ocasião da Festa da Páscoa, ele foi bem recebido pelo povo e aclamado como Rei. O povo o aclamava e dizia: “Hosana ao filho de Davi; bendito o Rei que vem em nome do Senhor”. No dia da crucificação de Cristo, a turba que gritava “crucifica-o”, não eram as mesmas pessoas que o aclamaram dizendo “bendito o Rei que vem em nome do Senhor”. Esses que gritavam “crucifica-o”, foram pessoas contratadas pelos sacerdotes e o sumo-sacerdote Caifás, para que fizessem coro e gritassem, pedindo a morte de Jesus. Portanto, o povo judeu, o povo humilde não foi responsável pela crucificação de Cristo. Por isso, Deus sabe que a maioria do seu povo escolhido não é culpada do sangue de Jesus ser derramado na cruz do Calvário. Quem crucificou Jesus foi a cúria sacerdotal judaica e os romanos.

E a religião cristã que a Igreja Católica espalhou pelo mundo e no ocidente não é a verdadeira, pois o verdadeiro evangelho não é pregado nem ensinado na ICAR e na maioria das igrejas protestantes. A maioria das igrejas protestantes ou evangélicas está ensinando um evangelho deturpado. Os padres católicos transformaram Jesus em “divindade” através da herética doutrina da trindade, e aboliram o Santo Sábado para adotar o dia do deus Sol como o dia do Senhor. Com isso, a religião cristã se tornou falsa e toda corrompida.

Quanto ao livro de Apocalipse tratar exclusivamente sobre a causa dos judeus, isso está bem evidente desde o início do livro. O Apocalipse foi o livro que mais tempo durou para ser incluído no rol dos livros canônicos, visto que os padres católicos viram que esse livro tratava quase que exclusivamente sobre os judeus e não fazia referência à igreja dos gentios. Tudo no Apocalipse se relaciona com os judeus, e quase nada se fala sobre os crentes gentios. Logo nos capítulos 2 e 3 Jesus diz uma palavra dura contra os da “Sinagoga de Satanás”, os que se dizem ser judeus e não são. Jesus disse que esses que se dizem ser “judeus” e não são, virão e se prostrarão perante os judeus verdadeiros, e saberão que Deus ainda ama o seu povo escolhido. Os teólogos cristãos não se dando por convencidos inventaram uma explicação nada convincente sobre quem são esses falsos judeus denominados de Sinagoga de Satanás. Eles dizem que “sinagoga de Satanás” era um grupo de não-judeus que existiu ainda no primeiro século, denominado de nicolaítas, que queriam deturpar os ensinamentos da Lei. Só que isso é besteira. Quem na verdade quer tomar a primazia do povo judeu são os crentes gentios, que afirmam ser o “Israel espiritual”. Esses, sim, são a Sinagoga de Satanás. O Novo Testamento não fala nada a respeito dos crentes gentios serem esse tal “Israel espiritual”. Tudo isso é fantasia e ensino herético dos crentes gentios. Eu, que faço esses comentários, não sou adventista do sétimo dia. Porém, posso inferir que esta Sinagoga de Satanás trata-se dos católicos e dos cristãos evangélicos que dizem que a Lei de Moisés foi toda abolida, e que a guarda do Santo Sábado não é mais obrigatória. Ou seja, os cristãos evangélicos dizem que o Antigo Testamento (a Toráh) é a Palavra de Deus, porém, ao mesmo tempo afirmam que a Lei Mosaica foi abolida, e escolhem aquilo que acham que ainda está em vigor. Pior ainda são crentes gentios que se intitulam “levitas do Senhor”, querendo ser judeus e não são, e aquelas igrejas que ostentam nos seus púlpitos a bandeira de Israel, usam o shofar e adereços típicos dos sacerdotes judaicos.

Ainda no Apocalipse vemos no capítulo 7 o selamento dos 144 mil judeus das 12 tribos de Israel durante o período chamado de Grande Tribulação. E depois, no capítulo 14, esse mesmo grupo de 144 mil judeus aparece no Monte Sião ao lado do Cordeiro, e o texto bíblico diz o seguinte: “E cantavam um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro seres viventes, e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil, aqueles que foram comprados da Terra. Estes são os que não se contaminaram com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes foram comprados dentre os homens para serem as primícias para Deus e para o Cordeiro. E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis”. Ora, a discriminação e o desprezo dos pastores e teólogos evangélicos contra os judeus é tão grande, que eles chegam a ignorar a importância desse grupo de 144 mil que foram selados e arrebatados. Eles chegaram ao cúmulo de ensinar que esses 144 mil selados são apenas um grupinho de judeus escolhidos para pregar o evangelho durante a Grande Tribulação, e que inclusive morrerão martirizados. E uma pessoa de bom senso pode observar que isso é pura discriminação e arrogância dos crentes gentios, querendo tomar a primazia dos judeus, achando que eles não terão todo esse destaque na salvação e no reino de Deus. Deturpam os escritos sagrados para satisfazer os seus egos, querendo tomar a primazia dos judeus. E mais na frente, no final do livro de Apocalipse, vemos as características da Santa Cidade, a Nova Jerusalém, que desce do céu. A cidade tem um grande muro com 12 portas e um anjo em cada uma das portas, e ainda sobre as portas estavam escritos os nomes das 12 tribos de Israel. Então, como os cristãos ocidentais podem ser tão arrogantes, a ponto de achar que terão primazia na Nova Jerusalém se os nomes sobre as portas são das 12 tribos de Israel, e não de povo gentio? O muro também tinha 12 fundamentos sobre os quais tinham escritos os nomes dos 12 apóstolos de Cristo. E todos os apóstolos eram judeus, inclusive Paulo, apóstolo dos gentios. O muro também tinha 144 côvados de altura, fazendo referência aos 144 mil judeus selados e arrebatados.

E a coisa mais louca é o ensinamento de que a Igreja de Cristo é a Noiva do Cordeiro. Em todo o Novo Testamento, nunca a Igreja é identificada como sendo a Noiva do Cordeiro. Paulo compara a Igreja de Cristo a uma esposa, e não a uma noiva. A palavra NOIVA não aparece nas epístolas de Paulo. Nos quatro evangelhos encontramos apenas em João 3:29 uma citação da palavra Noiva, e mesmo assim o texto é bem elucidativo ao fazer a distinção entre o Noivo, a Noiva e os convidados. O Noivo é Cristo, a Noiva são os 144 mil judeus selados e arrebatados e os convidados são os salvos do povo gentio. As outras cinco citações da palavra Noiva são encontradas apenas no livro de Apocalipse. E dessas cinco citações, quatro delas se referem ao grupo dos 144 mil judeus salvos.

No capítulo 21 de Apocalipse, João disse que viu a santa cidade, a Nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma NOIVA ataviada para o seu noivo. Ora, essa Noiva é uma referência ao grupo dos 144 mil judeus escolhidos da Terra. E a “Nova Jerusalém” não é uma cidade física, literal, formada de pérolas, de jaspe luzente e com ruas de ouro. João descreveu a comitiva dos 144 mil como uma cidade imaginária, descendo sobre a Terra como uma Noiva ataviada para o Noivo. Todas as características dessa Cidade Santa não são literais, mas simbólicas.

O estudioso da Bíblia deve saber que num casamento existe o Noivo, a Noiva e os convidados da festa.

Jesus citou a parábola das dez virgens. Mas essas dez virgens eram apenas convidadas do noivo e da noiva. Porém, os exegetas tradicionais dão a entender que essas virgens representam a Igreja de Cristo, a noiva do Cordeiro. Ou pelo menos as cinco virgens prudentes representam os crentes que serão salvos. No entanto, isso é um ensino teológico equivocado. Pois, embora, na parábola das dez virgens não apareça a palavra NOIVA, mas é de se notar que as dez virgens não eram as “noivas do noivo”. E nem eram as pretendentes a se casar com o noivo. As moças virgens faziam parte do costume judaico de serem convidadas de honra do noivo e da noiva. Se fôssemos levar para o ensino tendencioso, poderíamos dizer que as 5 virgens prudentes representam o grupo dos 144 mil judeus selados e arrebatados, pois em Apocalipse 14 diz que os 144 mil são virgens. Portanto, o Noivo é Cristo, a Noiva é o grupo dos 144 mil judeus salvos da Terra antes da Grande Tribulação, e os convidados das bodas do Cordeiro são os crentes gentios e os demais salvos do povo judeu.

E quem será arrebatado vivo? Somente o grupo dos 144 mil judeus selados antes do final da Grande Tribulação. Nenhum crente salvo do povo gentio vai ser arrebatado. Todos morrerão e aguardarão a ressurreição do último dia, a primeira ressurreição.

Os padres católicos não ficam pregando e ensinando sobre arrebatamento, porque eles sabem que esse acontecimento não será para os crentes gentios.

Veja bem. Todos os antigos pastores evangélicos pregaram sobre o arrebatamento, e muitos deles já morreram, e todos irão morrer sem ver esse tal arrebatamento. Se meu pai e minha mãe, que eram mais crentes do que eu, morreram esperando o tal arrebatamento, por que eu terei o privilégio de ser arrebatado? Seus pais ou avós que são crentes e esperam a volta de Jesus e o tal arrebatamento também morrerão e terão que aguardar a ressurreição do último dia. Você que espera o arrebatamento também irá morrer, pois esse evento não é para nós, gentios. Engraçado: Se os crentes da Igreja Primitiva que deveriam ter sido arrebatados, não foram, por qual motivo esses crentes mundanos de hoje acham que terão o privilégio de ser arrebatados? Quanta prepotência!

Jesus disse para os seus discípulos: “Quando o Filho do Homem voltar, por acaso, achará fé na Terra?”. Esta é uma pergunta que não precisa de resposta, porque ela é autoexplicativa. Quando Jesus retornar, o mundo estará muito diferente do atual. Hoje em dia o que mais tem é crente com fé, esperando a volta de Jesus. Ainda passará muito tempo até que Cristo volte. E pelos meus cálculos nada precisos, o retorno de Cristo se dará somente para depois do ano 2.060. Ou 42 anos além de 2.060. Atualmente, cristãos e muçulmanos formam a maioria dos religiosos no mundo. Porém, quando Jesus retornar, cristãos e muçulmanos formarão apenas uma minoria de fanáticos, lutando contra o governo da Besta.

V – CÉU, INFERNO, RESSURREIÇÃO DO ÚLTIMO DIA E JUÍZO FINAL

[Ainda escreverei sobre este tópico]

XXXXXXXXXXX

Anúncios

07/11/2016 - Posted by | GOVERNO DA BESTA, MENSAGENS ESPECIAIS, POLITICA INTERNACIONAL | , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: