MENSAGENS PARA A GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS

Blog com mensagens e artigos diferentes sobre Deus e a Bíblia

FÉ X RAZÃO – O CRENTE É IGNORANTE E NÃO SABE QUE É

*******
Quando leio artigos e estudos bíblicos de pastores e teólogos renomados, fico só observando o linguajar culto que eles empregam, com vocábulos difíceis – como por exemplo ‘trindade’, ‘soteriologia’, ‘cristologia’, ‘paracletologia’,  ‘eternidade’, ‘pentecostal’, ‘pentecostalismo’, ‘amilenista’, ‘preterista’, etc – que eles mesmos criaram para ensinar teologia. Mas também fico imaginando que vantagem tem todos esses vocábulos e conceitos teológicos, alguns banais e outros controversos, se toda a crença deles é baseada na fé?! Ou seja, toda a crença deles é baseada na IGNORÂNCIA. Como não podem apresentar nenhuma prova do que ensinam, eles ignoram a razão e a racionalidade e apelam para a fé. Quase toda a TEOLOGIA é baseada em TEORIAS. Eles inventaram essa história de que o crente salvo vai viver na ‘eternidade’, e nem eles mesmos têm certeza do que ensinam, pois, tudo é baseado na fé cega, isto é, na ignorância.
*******
Macaco pensadorHomem pensador 

Alguém disse que “Deus existe para quem crê, agora para quem não crê, Ele não existe”. Ou seja, quem tem fé acredita em Deus. Em outras palavras, quem é ignorante acredita em Deus.

Que me desculpem os pastores e teólogos tradicionais, mas o que acabei de afirmar é uma pura verdade. Os crentes ou cristãos não fazem uso da racionalidade ou da razão, pois a crença deles em Jesus e em Deus é toda baseada na fé. E fé é uma crença cega, pois, a pessoa acredita naquilo que não vê e que não tem certeza se existe. Sendo assim, a crença deles é baseada na IGNORÂNCIA, pois, eles desprezam a racionalidade e a razão e se baseiam em imaginações da mente. Eles usam a Bíblia e a própria natureza como provas da existência de Deus. Porém, a própria Bíblia não dá garantia plena da existência de Deus e de Jesus. E muito menos a natureza.

“Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível não foi feito daquilo que se vê” (Hebreus 11:3).

“Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe [pela fé], e que é galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11:6).

Humanamente e racionalmente falando, se alguém diz que acredita em Deus pela fé, esse alguém está sendo ignorante, pois despreza a razão de ser das coisas, e se baseia em algo ilusório, que não pode provar. Fé não é prova de nada; fé não prova nada. Fé é apenas confiança naquilo que se diz ou que se espera.

Sei que é controverso comparar a palavra FÉ com a palavra IGNORÂNCIA. Mas, no fundo, o significado é o mesmo. Quem é “ignorante” se sente ofendido pelo fato de alguém dizer que sua fé o torna ignorante.

Por causa do ensino obcecado de Paulo a respeito do uso da fé, o apóstolo Tiago o confrontou, afirmando que a fé sem as obras é morta. E isso se tornou uma grande contradição na Bíblia. E os teólogos se contorcem para dizer que não existem contradições na Bíblia. É claro que existem.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9).

“Sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, mas sim, pela fé em Cristo Jesus, temos também crido em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não por obras da lei; pois por obras da lei nenhuma carne será justificada” (Gálatas 2:16). 

“Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo? (…) Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma. Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé” (Tiago 2:14, 17-18, 24).

Não dou valor a conceitos e vocábulos difíceis que os próprios teólogos criaram para explicar coisas baseadas na “ignorância”, ops, baseadas na fé. Os mestres e doutores em teologia costumam criticar aqueles que se aventuram a explicar a Bíblia e questionar as crenças tradicionais sem ter o devido preparo. Acusam os tais de não ter o conhecimento e o preparo suficiente para elaborar um estudo coerente e biblicamente correto. Eu mesmo já fiz crítica a pregadores leigos que leem qualquer versículo da Bíblia e querem pregar, espiritualizando o texto, sem ao menos ter noção do que o texto realmente diz. Fiz crítica a estudiosos da Bíblia que querem defender um tema, mas não conhecem direito nem a própria língua que falam; não conhecem as regras da Língua Portuguesa, não sabem nada de interpretação de texto e análise sintática. Por exemplo, eles pegam a frase dita por Jesus “examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna”, mas não entendem nada do que Jesus quis dizer. Eles acham que esta frase é um mandamento de Jesus. Ora, Jesus nunca ordenou ninguém a examinar as Escrituras. O verbo “examinais” está no presente do indicativo, e a frase está no afirmativo, e não no imperativo. A tradução dessa frase de Jesus num linguajar mais acessível aos leigos é assim: “Vocês, fariseus e doutores da Lei, examinam as Escrituras pensando encontrar nelas a vida eterna – e são realmente elas que falam a respeito de mim -, mas não querem me ouvir nem me aceitar, para terem vida”. Quem concede a vida eterna é Jesus, e não o fato de examinar as Escrituras. No entanto, acredito que não é preciso um estudioso das Escrituras se prender a conceitos e vocábulos fabricados por teólogos para elaborar um estudo ou defesa de um tema. Basta que o exegeta tenha um pouco de conhecimento de Hermenêutica e noção de interpretação de texto e análise sintática, que ele terá condições de elaborar um estudo coerente e lógico. E não me venha com esse blá-blá-blá de que é preciso fazer muitas orações buscando a iluminação do Espírito Santo para que possa interpretar corretamente os textos sagrados! Se isso fosse garantia para se fazer um estudo correto, não haveria tantas heresias por aí. E bem sabemos que os teólogos e exegetas dessas seitas que existem por aí sempre afirmam que buscam muito a iluminação do Espírito Santo e a sabedoria do alto antes de fazer os estudos. E como todos sabem, há muita heresia nesses ensinos teológicos das igrejas cristãs e evangélicas. Alguns escritores do Novo Testamento, como Pedro, Tiago e Judas eram semialfabetizados e mal sabiam escrever. No entanto, escreveram coisas melhores que este montão de literatura produzida pelos teólogos tradicionais. Eles escreveram com humildade, empregando palavras simples e um linguajar rude, sem ter a mínima noção desses conceitos e vocábulos inventados pelos teólogos “ignorantes” de hoje. Até mesmo os apóstolos João e Paulo, sendo mais cultos, escreveram livros sem ter a mínima noção desses conceitos e vocábulos dos teólogos hodiernos. E um milhão de livros escritos por esses exegetas e teólogos modernos não se compara a uma única carta escrita por um apóstolo semialfabetizado.

CONCEITOS DE FÉ E DE IGNORÂNCIA

Veja os conceitos de FÉ, segundo o Aurélio:

S.f.
1. Crença religiosa;
2. Conjunto de dogmas e doutrinas que constituem um culto;
3. Rel. A primeira virtude teologal: adesão e anuência pessoal a Deus, seus desígnios e manifestações.
4. Firmeza na execução de uma promessa ou de um compromisso.
5. Crença, confiança.
6. Asseveração de algum fato.

Como se percebe, pela definição do dicionário, fé não passa de crença religiosa naquilo que não se vê, que não se pode provar. Diz, também, que fé é “a primeira virtude teologal”. Ou seja, sem fé não existe teologia.

Agora veja os conceitos de IGNORÂNCIA, segundo o Aurélio:

S.f.
1. Condição de quem não é instruído;
2. Falta de saber; ausência de conhecimentos;
3. Estado de quem ignora ou desconhece alguma coisa, não tem conhecimento dela.

Pelos conceitos de “ignorância”, podemos dizer que se alguém diz que acredita em Deu pela fé, mas não tem como provar a sua existência, e não sabe nada de concreto sobre Ele, então, esse alguém é um IGNORANTE.

Ninguém sabe como surgiu a palavra FÉ. No Antigo Testamento essa palavra aparece uma única vez.

“Eis o soberbo! A sua alma não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá” (Habacuque 2:4).

O escritor da carta aos hebreus deu um conceito inusitado para fé. Veja:

“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem” (Hebreus 11:1).

Como já disse em outras ocasiões, a fé pode até ser o fundamento das coisas que se esperam. Porém, a fé não é prova de nada, não prova nada. Fé significa apenas confiança ou esperança em algo que esperamos ou imaginamos.

O próprio apóstolo Paulo instiga os crentes a usar de “ignorância” até para fazer coisas corriqueiras da vida. E diz que se alguém não faz as coisas através da “ignorância”, isto é, através da fé, esse alguém está pecando. E o pior é que Paulo tem razão em fazer tal afirmação.

“Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque o que faz não provém da fé; e tudo o que não provém da fé é pecado” (Romanos 14:23).

ADÃO E EVA VIVIAM PELA FÉ, ATÉ QUE UM DIA CHUTARAM O PAU DA BARRACA

A ideia de Deus em criar o homem foi para que ele vivesse como nativo, cuidando da terra e colhendo os frutos da sua plantação. Quando a Bíblia diz que Adão e Eva viviam nus e não se envergonhavam, significa que eles viviam como os nativos, ou seja, como os índios, que vivem nus, mas não se envergonham. Os verdadeiros povos indígenas – que ainda não tiveram contanto com a civilização – ainda carregam nos seus costumes a inocência do paraíso perdido. Deus criou o homem para que fosse um agricultor, para que cultivasse a terra e cuidasse das plantas e dos animais, sem se preocupar com guerras, com tecnologias e invenções da Ciência. Os povos indígenas não têm Ciência; mesmo que passem milhares de anos, eles não inventam nenhuma tecnologia, pois eles não sabem derreter o ferro para construir armas, máquinas e veículos. Eles só ensaiam inventar alguma coisa depois que têm contato com os civilizados. Mesmo assim, os índios não questionam nada, se Deus existe ou não. Até se o pajé disser que os deuses ordenaram a aldeia a fazer isso ou aquilo para eles (se não eles morrerão), eles fazem sem questionar nada, pois, são “inocentes”. Os indígenas possuem terçado, facão, enxada, machado, martelo, serrote e panelas de alumínio para cozinhar porque tudo isso eles adquiram com os povos civilizados. Você já ouviu falar de algum índio que tinha a profissão de ferreiro?

No entanto, embora Deus quisesse que homem vivesse como nativo na Terra, sem questionar nada, sem se preocupar em inventar artes ou fundir os metais, Ele não imaginou que um dia pudesse chutar o pau da barraca, e passasse a questionar as coisas. E a gota d’água para isso acontecer foi a intromissão de Satanás no paraíso, que instigou o homem a fazer uso da sua racionalidade. E o que Satanás disse a Adão e Eva foi uma verdade. Os teólogos fanáticos (que acreditam nas coisas através da “ignorância”), afirmam que Satanás usou de mentira para enganar Adão e Eva, e fazê-los pecar. Compare as duas passagens bíblicas e veja que Satanás não mentiu a Adão e Eva.

“Ora, a serpente [Satanás em carne e osso] era o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? Respondeu a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais. Disse a serpente à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal” (Gênesis 3:1-5). 

“Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tem tornado como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Ora, não suceda que estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente. O Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden para lavrar a terra, de que fora tomado. E havendo lançado fora o homem, pôs ao oriente do jardim do Éden os querubins, e uma espada flamejante que se volvia por todos os lados, para guardar o caminho da árvore da vida” (Gênesis 3:22-24).

Na verdade, o pecado de Adão e Eva se constituiu no fato de terem feito o uso da razão e da racionalidade, ao darem ouvidos a Satanás. O fruto proibido que eles não deviam comer era o “conhecimento proibido” que Satanás lhes repassou, e que os tornou civilizados. Somente os civilizados sentem vergonha de andar nu. A condição de civilizado trouxe ao homem muitos problemas, mas também trouxe muitas coisas boas. O homem, ao deixar de ser nativo, e se tornar civilizado, tornou-se grande perigo para o nosso planeta, e até para os próprios deuses. Pois, o homem ao tomar conhecimento do bem e do mal, e fazer uso de sua racionalidade, passou a questionar a sua própria origem e a existência de Deus. Tornou-se uma grande ameaça para todo o Universo. Atualmente vemos que o homem não tem limites em suas invenções. E a pior invenção de todas foi a bomba atômica, de plutônio ou de hidrogênio, que pode levar à destruição de todo o planeta e à extinção da raça humana. Enquanto o homem não tiver uma prova concreta da existência de Deus, ele continuará procurando respostas, vasculhando esse vasto Universo, perscrutado o ínfimo da matéria. Se o homem não encontrar Deus, ele continuará achando que é o próprio deus e o dono de seu destino. Esse é o grande pecado do homem, o fato de ter chutado o pau da barraca, deixado a vida de inocência no paraíso como um nativo, e ter se tornado civilizado.

Por que Deus puniu a Serpente (Satanás), mesmo sabendo que ela falou a verdade para Adão e Eva?

Deus puniu a Serpente porque ela sabotou o seu plano. O plano de Deus era que o homem sempre fosse e vivesse como um nativo, isto é, como um indígena, e não se tornasse civilizado. Ao tornar-se civilizado – conhecendo o bem e o mal, e aprendendo a Ciência -, o homem fez-se pecador, caiu em desgraça, tornando-se um rebelde diante de seu Criador, ao questionar as coisas. O homem, depois de ter conhecimento do bem e do mal, não teria limites em  suas intenções. Deus viu que o homem tornando-se civilizado e ainda tendo acesso à fonte da vida eterna (a árvore da vida), tornar-se-ia um perigo para o Universo, visto que é um ser imperfeito, de má índole, e de espírito dominador. Por isso, Deus teve que impedir o acesso do homem à árvore da vida, para que não vivesse eternamente. Para o homem ter acesso novamente à árvore da vida, ele terá que se aperfeiçoar.

O novo plano de Deus, agora, é dar o tempo necessário para que o homem se aperfeiçoe. Aqueles que se aperfeiçoarem Ele irá salvar e ressuscitar no último dia. E para que isso fosse possível, Deus enviou o seu Filho, Jesus Cristo, para tomar o poder de Satanás aqui na Terra, e cuidar da raça humana. Quem crer em Jesus, praticar seus mandamentos e viver uma vida piedosa, pode se aperfeiçoar. Jesus disse a um jovem rico: “Queres ser perfeito? Vai, vende tudo o que possui, distribui entre os pobres, depois, vem e segue-me”. O jovem ficou triste, pois possuía muitas riquezas. Portanto, para o crente ser perfeito, o principal requisito é não possuir riquezas materiais.

CONCLUSÃO

Já que Adão e Eva chutaram o pau da barraca e passaram a fazer uso da racionalidade e da razão, então, vamos continuar sendo crentes, mas fazer o mesmo que eles fizeram. Vamos fazer uso da racionalidade e da razão para buscarmos respostas para as perguntas que nos inquietam. Se continuarmos buscando respostas através da fé cega e da ignorância, não chegaremos a lugar algum. Eu não acredito em Deus pela fé cega – e nem pela fé que enxerga. Eu acredito em Deus porque obtive conhecimento suficiente para não duvidar da sua existência. Só que o Deus que eu acredito é totalmente diferente do “Deus” que 99,99% dos crentes acreditam. Eu me esforço muito para fazer o máximo de uso da minha racionalidade. Se você não faz uso da sua racionalidade, melhor seria ter nascido como um animal irracional.

Eu acredito naquilo que é possível existir. Por exemplo, eu não acredito que no céu haja criação de cavalos de raça, e ainda alados. Mas há ignorantes que acham que Jesus e os anjos irão descer literalmente do Céu em cavalos brancos, alados. Para se justificar, eles dizem que para Deus tudo é possível. Há outros que dizem que Deus pode criar qualquer coisa num abrir e fechar de olhos. Neste caso, a ignorância já extrapolou os limites do bom senso. E outros se contorcem para explicar a seguinte pergunta: “Por que Deus criou o mundo em seis dias, se Ele podia ter criado tudo num só dia, ou num piscar de olhos?”. Quem se esforça para responder a essa pergunta é um autêntico ignorante. Os crentes acham que Deus é isso e aquilo, pode fazer isso e aquilo, sem ter uma mínima prova de que Ele seja mesmo assim. Portanto, eu não acredito em nada que não se possa provar. Eu sou um autêntico “crente são-Tomé”. Só acredito vendo.

O crente vê na Bíblia Jesus dizer que a fé pode remover montanhas, pensando que Ele estava falando de forma literal. Deus não pode remover uma montanha de lugar. Se Deus pudesse remover uma montanha de lugar, o melhor momento para Ele demonstrar isso teria sido quando os israelitas estavam no deserto, apavorados, fugindo de Faraó, sem saber para onde ir, visto que havia montanhas por todos os lados e o Mar Vermelho mais na frente. A travessia sobre o Mar Vermelho pode ter acontecido numa parte rasa, no momento em que houve uma maré. E em nenhum momento vemos Deus, na Bíblia e na História, removendo alguma montanha de lugar. Portanto, essa crença de que “fé remove montanhas” não passa de uma palavra de encorajamento para que as pessoas enfrentem as dificuldades da vida. Fé é apenas esperança, confiança.

Alguém pode indagar: “Mas, que ‘deus’ é esse que você acredita, que não tem poder nenhum?”. Respondo. O Deus no qual acredito é o mesmo que você acredita. A diferença é que você acredita nele de forma tresloucada, dando a Ele atributos que não tem certeza se possui. O Deus que acredito é muito poderoso ou super-poderoso, mas não tanto Todo-Poderoso. Ainda vou escrever um texto sobre esse assunto. Por exemplo, todos acham que os Estados Unidos são um país todo-poderoso, que ninguém consegue derrota-lo. Porém, a pequena Coreia do Norte o tem desafiado. Por quê? Porque o governo norte-coreano sabe que os EUA não são o que os outros dizem que ele é.

Deus Jeová já demonstrou fraqueza diante de pequenos inimigos. Veja:

“Assim estava o Senhor com Judá, o qual se apoderou da região montanhosa; mas não pôde desapossar os habitantes do vale, porquanto tinham carros de ferro” (Juízes 1:19).

Deu acordo com o texto supracitado, que Deus Todo-Poderoso é este que não conseguiu fazer os israelitas vencer os habitantes do vale, que tinham carros de ferro? Se esses moradores do vale tivessem apenas carros e carruagens de madeira, os israelitas os teriam destruídos? Porém, imagina se esses moradores do vale tivessem caças supersônicos, com metralhadoras e mísseis teleguiados, e bombas nucleares!

Sou professor de Matemática e percebo que a maioria dos alunos não gosta dessa matéria e não entende nada sobre os números porque tem preguiça de pensar. Assim mesmo acontece com a cabeça dos religiosos e dos crentes: eles têm preguiça de pensar. O crente fanático que não questiona nada, se a Bíblia é inspirada e se Deus existe, tem preguiça de pensar, e deixa que os pastores e teólogos pensem por ele. Ou seja, é um perfeito ignorante. A ignorância exacerbada torna as pessoas estúpidas e arrogantes. Por isso, tem muitos crentes assim. Da mesma forma, o muito saber torna as pessoas arrogantes e muitas vezes estúpidas. Mas, nesse caso, a estupidez e arrogância acontecem não por ignorância ou desconhecimento de algo, mas, pela impaciência que se tem devido as pessoas comuns não compreenderem o que se tenta explicar. Há pessoas que odeiam o que escrevo, simplesmente porque elas têm preguiça de pensar, e não está à altura de acompanhar a minha linha de raciocínio.

“Diz o néscio no seu coração: Não há Deus. Os homens têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras; não há quem faça o bem” (Salmos 14:1).

Um crente pode questionar a existência de Deus, diferentemente de um ateu, que ignora a sua existência, e ainda debocha dos que acreditam. Podemos questionar a veracidade de muitas crendices, porque somos racionais. Se você não questiona nada, você é ignorante, e não faz uso da racionalidade, se é que tem.

Portanto, vamos botar a cabeça pra funcionar, e deixar de lado a irracionalidade, pois, somos seres pensantes.

_______________________________
Falou e disse Miquels7

Anúncios

23/04/2017 - Posted by | FANATISMO RELIGIOSO, MENSAGENS ESPECIAIS, TEMAS DIFÍCEIS | , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: